A BÍBLIA DEMON’S [TRADA] -Versão do Diretor

 

O DIÁLOGO ENTRE CAINDO E ABELHUDO
 
 
Caindo e Abelhudo no campo. Caindo Trabalhando o solo com a enxada e Abelhudo sentado perto dele, recostado em uma árvore, com um raminho de capim na boca, observando umas ovelhas que estão pastando a alguma distância dali.            
 
 
  1. Caindo!
  2. O que é?
  3. Já reparou que o seu trabalho é bem mais penoso do que o meu?
  4. Já.
  5. Acho que nosso pai, Andão, se agrada mais de mim do que de ti.
  6. Humm, e daí?
  7. Ah, sei lá, sabe, é bom ser o predileto, dá uma sensação gostosa. Você não gostaria de ser o predileto só por um dia, ou por… Digamos, uma semana? Que tal!?
  8. Não me interessa.
  9. Também eu não ia deixar! Ih, ih, ih, seu idiota. E olha lá viu, vê se capina direitinho aí, e é bom que esta plantação de bons frutos, bons legumes e verduras, para que eu tenha bastante comida boa e variada lá em casa, você sabe que a mamãe gosta que eu me alimente muito bem, e uma alimentação balanceada é bom pra minha pele [examinando os braços virando-os de um lado para o outro], não quero que ela fique ressecada.
 
 
De vez em quando Abelhudo se levantava e chamava alguma ovelhinha, que estava se desviando do bando, para fazê-la retornar para perto das outras.
 
 
  1. Psiu, psiu, amorzinha, não, não, volta pra lá, volta já! Aí, aí, estou pensando em pedir pra alguém treinar um cachorro pra me ajudar a pastorear estas ovelhas, isso é tão cansativo, tão trabalhoso! [dizia bocejando e espreguiçando].
  2. É faça isso.
  3. Caindo!
  4. O que é agora Abelhudo? [perguntava seu irmão, limpando o rapidamente o suor que lhe escorria pelas faces, para logo em seguida retornar ao trabalho em ritmo acelerado].
  5. Você se lembra daquelas nossas oferendas que fizemos um dia destes para o Deus de nossos pais? Aquele deus que ele nos ensina a adorar, respeitar e amar, sem ao menos o conhecermos, para que Ele não se desagrade de nós, e, então, possamos um dia ir morar lá naquele paraíso que ele nos disse que este deus o expulsou de lá por culpa da mamãe?
  6.  Sei, sei. Mas escuta uma coisa, Abelhudo. Você não quer ir ali brincar com as suas ovelhinhas, não hem? Vai lá, vai!
  7. Daqui a pouco eu vou, espera aí. Mas como eu ia dizendo Caindo, eu soube pelo papai que pelo que ele conhece do Deus dele, Ele nem deu bola para aquela tua ofertazinha mixuruca de “ortifrutis”, pois do que ele gosta mesmo e de carne! Então, maninho, mais uma vez eu me dei bem, porque eu sacrifiquei pra ele um cordeirinho novinho e tenro! E você, como sempre, se deu mal! Você não acerta uma mesmo, hem? Ih, ih, ih, ih, ih!
 
E continuando a gargalhar de maneira insolente, levantou-se virando as costas para o irmão para se retirar da sua presença. Caindo, então, não podendo mais suportar, perdeu o controle e gritou:
 
  1.  Ah é? Não acerto uma, né?! Que tal esta!
 
E antes que Abelhudo pudesse se virar, Caindo deu lhe uma enxadada com todas as forças que pode ajuntar, e o matou.

 

 

A BÍBLIA DEMON’S [TRADA] -Versão do Diretor

 

O DIÁLOGO ENTRE CAINDO E ABELHUDO
 

 

 

 
  1. Caindo!
  2. O que é?
  3. Já reparou que o seu trabalho é bem mais penoso do que o meu?
  4. Já.
  5. Acho que nosso pai, Andão, se agrada mais de mim do que de ti.
  6. Humm, e daí?
  7. Ah, sei lá, sabe, é bom ser o predileto, dá uma sensação gostosa. Você não gostaria de ser o predileto só por um dia, ou por… Digamos, uma semana? Que tal!?
  8. Não me interessa.
  9. Também eu não ia deixar! Ih, ih, ih, seu idiota. E olha lá viu, vê se capina direitinho aí, e é bom que esta plantação de bons frutos, bons legumes e verduras, para que eu tenha bastante comida boa e variada lá em casa, você sabe que a mamãe gosta que eu me alimente muito bem, e uma alimentação balanceada é bom pra minha pele [examinando os braços virando-os de um lado para o outro], não quero que ela fique ressecada.
 
 
De vez em quando Abelhudo se levantava e chamava alguma ovelhinha, que estava se desviando do bando, para fazê-la retornar para perto das outras.
 
 
  1. Psiu, psiu, amorzinha, não, não, volta pra lá, volta já! Aí, aí, estou pensando em pedir pra alguém treinar um cachorro pra me ajudar a pastorear estas ovelhas, isso é tão cansativo, tão trabalhoso! [dizia bocejando e espreguiçando].
  2. É faça isso.
  3. Caindo!
  4. O que é agora Abelhudo? [perguntava seu irmão, limpando o rapidamente o suor que lhe escorria pelas faces, para logo em seguida retornar ao trabalho em ritmo acelerado].
  5. Você se lembra daquelas nossas oferendas que fizemos um dia destes para o Deus de nossos pais? Aquele deus que ele nos ensina a adorar, respeitar e amar, sem ao menos o conhecermos, para que Ele não se desagrade de nós, e, então, possamos um dia ir morar lá naquele paraíso que ele nos disse que este deus o expulsou de lá por culpa da mamãe?
  6.  Sei, sei. Mas escuta uma coisa, Abelhudo. Você não quer ir ali brincar com as suas ovelhinhas, não hem? Vai lá, vai!
  7. Daqui a pouco eu vou, espera aí. Mas como eu ia dizendo Caindo, eu soube pelo papai que pelo que ele conhece do Deus dele, Ele nem deu bola para aquela tua ofertazinha mixuruca de “ortifrutis”, pois do que ele gosta mesmo e de carne! Então, maninho, mais uma vez eu me dei bem, porque eu sacrifiquei pra ele um cordeirinho novinho e tenro! E você, como sempre, se deu mal! Você não acerta uma mesmo, hem? Ih, ih, ih, ih, ih!
 
E continuando a gargalhar de maneira insolente, levantou-se virando as costas para o irmão para se retirar da sua presença. Caindo, então, não podendo mais suportar, perdeu o controle e gritou:
 
  1.  Ah é? Não acerto uma, né?! Que tal esta!
 
E antes que Abelhudo pudesse se virar, Caindo deu lhe uma enxadada com todas as forças que pode ajuntar, e o matou.
 
 

Depois do Grenal e do Grand Prix de Vôlei

    O Gre-Nal já terminou. Findou e foi confirmada a teoria: quem ganha na véspera, perde no dia certo. E na vida, será que isso também vale?

    A vitória traz o relaxamento. Quando se passa pelo pior desafio a tendência é transformar qualquer outro em menor. Assim ocorreu com as meninas do Brasil, campeãs olímpicas e vice-campeãs mundiais. Imaginavam que o pior desafio seria a campeã mundial: Rússia. Venceram para enfrentar na final uma equipe que haviam vencido com facilidade durante a competição. Invictas, entraram em quadra e perderam por 3 sets a 0. Uma lavada, um chocolate, uma aula de concentração e perserverança. Coisa, aliás, que os norte americanos são especialistas.

    No Gre-Nal deste domingo, foi parecido. No entanto, foi um pouco diferente. O Internacional estava desfalcado e vinha de um título importante. Relaxado e com o dever do ano cumprido. Assim, a garra do Grêmio superou a qualidade técnica do Inter. No final, o resultado fez jus ao melhor time nessa partida.

    O Internacional talvez passe o resto do ano comemorando a Recopa e não há como fazer previsões agora. Podem vender jogadores e alguns podem se poupar para a janela de transferências do fim do ano.

    O Grêmio, por sua vez, terá um final de temporada difícil, mas deve conseguir ficar entre os 10 do Campeonato Brasileiro sem muitas dificuldades. Qualquer coisa mais, será outro milagre do Imortal Tricolor.

    Por fim, temos a nossa vida para avaliar as relações. Quando se tem uma vitória ela significa apenas uma responsabilidade nova. Um novo patamar foi alcançado e para mantê-lo é preciso mais trabalho, mais humildade e muito mais empenho para galgar novos patamares, ainda mais altos.