Soneto ao Contrário

E como tudo tem andado de pernas pro ar
Resolvi ser arbitrário
Não tive medo de chocar
E escrevi o soneto ao contrário
É sempre bom ter um poema guardado pra quando falta inspiração, ou se tem idéias demais.

Eu queria escrever um poema
Que descrevesse o que sinto agora
Mas veja só, não consegui fazê-lo!

Eu poderia ficar aqui
Reclamando a quem quisesse ouvir
Mas seria uma idiotice do cão!

Escrevendo, eu posso fingir
E mergulhar em minha ficção
Posso até ser feliz
Hora sim, outra não

E como tudo tem andado de pernas pro ar
Resolvi ser arbitrário
Não tive medo de chocar
E escrevi o soneto ao contrário


Agora também no ramo de confecção de WallPaper: domquixote.multiply.com/photos/album/12/Wallpapers