Ontem (1)

Não saí de casa, minto, saí para comprar comida e voltei a correr
(que é como quem diz, depressa) para o calor do lar. Debaixo ainda
dos efeitos de uma gripe que até pensei que pudesse ser a famosa gripe
das aves, vi-me obrigado a ir procurar comida porque deixei esgotar o
stock.

 

Continue lendo “Ontem (1)”

Hoje (11)

Três dias de molho com gripe, foi o resultado da minha ida ao
hospital para falar com o JSS. E tive muita sorte por ter trazido uma
simples gripe. Quer me parecer que anda aqui o dedo da máfia a tentar
calar-me, vou redobrar de cuidados. Essa ida ao hospital foi-me
induzida por algum reclame da máfia na televisão.

 

Continue lendo “Hoje (11)”

Hoje (10)

Boas notícias: o JSS está fora de perigo. Afinal, segundo ele
próprio afirmou, estava apenas a curtir uma das muitas carraspanas
que tem apanhado ao longo da sua vida. A espuma que lhe saía da
boca era apenas tinto fermentado, e não sangue como se chegou a
pensar.

 

Continue lendo “Hoje (10)”

Hoje (9)

Apanhei um susto que nem vos conto. Aliás, conto. Estava eu a
preparar as minhas aulas de amanhã, quando oiço algo parecido ao
urro de uma fera, bem dentro da minha casa. “Estou feito”, pensei eu
instintivamente, algum animal extraterrestre conseguiu penetrar pelo
esgoto da sanita, e vai me deglutir num abrir e fechar de olhos.

 

Continue lendo “Hoje (9)”

Hoje (7)

Mal senti o barulho dos carros de recolha do lixo, dei por
terminada a minha incursão nocturna aos contentores. Eram cinco da
manhã quando cheguei a casa, tresandado a porcaria. Mas estejam
descansados que não irei desviar a conversa para tantos e tantos outros
assuntos que a pesquisa no lixo nos sugere, nem para aqueles que os
poucos noctívagos que eu vi inspiram.

 

Continue lendo “Hoje (7)”

Hoje (6)

Como já vos disse no final do último episódio, ando na pista
certa da tintura de iodo. Mal cheguei a casa, tomei um banho e troquei
de roupa para me livrar da porcaria; mexer no lixo não é nada
saudável. Porém, os “merdia” não se cansam de chafurdar na merda,
até parece que quanto mais porca e sanguinária for a notícia, mais as
pessoas as consomem ou devoram.

 

Continue lendo “Hoje (6)”