O Swing das Paixões

Fracasso. Palavra feia, chata. Mas que serve par algumas coisas. É através deles que vemos que algo não está indo para o caminho certo. Através de um fracasso enxergamos onde erramos. Com eles, ao contrário do que alguns pensam, temos muito a ganhar se conseguirmos tirar proveito deles. Nenhuma derrota é definitiva e nenhum tombo é feito para não levantar. Quando se leva uma grade rasteira, seja de alguém seja da vida seja do raio que o parta, por mais difícil que seja discernir as coisas no momento, é sempre preciso ter em mente que em tudo há algo a prender. Pode ser que não seja hoje que eu me de conta, nem amanhã. Talvez demore um tempo. Mas sempre há. Cada dia há uma oportunidade para escolhermos: ou damos um passo à frente ou ficamos estagnados lamentando o fracasso. Não há tempo para lamentações. Essa é a sua vida. Essa é a minha vida. Até prova ao contrário não há outra. Aproveite. Enquanto há tempo.

***

Todo mundo tem suas paixões, todo mundo tem suas manias. Capacidade incrível temos de amar algo e logo depois exorcizá-lo da nossa vida. Mas tem aquelas coisas que são paixões eternas e a gente nem sabe explicar por quê. Não pessoas. Algo tipo… Paixão por sapatos, bolsas. Tudo bem isto poderia ser encarado na verdade como a síndrome consumista básica. Mas não é. É paixão. Paixão de você para na frente de um par de sapatos e prometer fervorosamente que se ele for teu você vai amá-lo pelo resto da sua vida. Claro, que como quase toda promessa que eu faço nesse nível, ela se esvai depois de um ou dois meses. Mas é paixão. Paixão por futebol. Essa não tão compreendida pelo universo feminino. Mas aí é um problema de criação. Fomos criadas para não gostar de futebol, par anão querer entender as regras, para apenas acharmos que aquilo ali é “apenas um monte de homens correndo atrás de uma bola”. Mas se pensar por aí também tem seus atrativos. Quando se dá conta de como funciona tudo que envolve futebol, vira paixão. Paixão por ler todos os jornais do mundo. Paixão por escrever. Paixão por chuva. Dia de chuva. Paixão por sorrisos, por amigos, por lembranças… Paixões que acabam, outras que recomeçam. A vida se move por elas. E é por elas que eu continuo.

Medo e Ignorância

O ser humano me assombra. Eu me assombro comigo. Me assombra a crueldade a que somos capazes, a capacidade que temos de nos isentar de tudo, de nos trancarmos dentro de grades, de nos armarmos e acharmos que assim estamos seguro. Fácil ligar a TV e achar que as imagens distantes não nos afetam, enquanto aumentam-se muros na tentativa alienante de nos mantermos à parte do mundo. Todos nós, sem exceção, criamos um monstro, o alimentamos com nossa abstração sempre acreditando em que soluções imediatistas irão nos salvar para que continuemos aqui, na frente do computador, no sofá da sala, dentro do carro. Ver a realidade de frente encará-la não é tarefa prazerosa. Saber que crianças de 9, 10, 11 anos matam e morrem com a maior naturalidade não pode ser comum. Não pode ser comum querer andar armado. Não pode ser comum achar que tudo se resolve com um tiro. Não pode ser comum estar sempre acuado. A banalização da vida não pode ser comum. Eu não quero me acostumar com manchetes de jornal. Não sou assim. Seria mais fácil chegar aqui e escrever sobre o céu, o sol, o sul, o zôo. Mas eu não quero. Para poder enxergar alguma solução, mesmo essa difícil, é verdade, é necessário, enxergar o verdadeiro ponto do começo do problema. É preciso ter coragem de ver os fatos de verdade. Muita coragem.

***

Quando ignoramos certos fatos, com certeza somos mais felizes. Dentro da nossa ignorância somos mais felizes. A realidade é cruel, é dilacerante e encará-la não é algo para qualquer um. Questionar e ir atrás do que realmente envolve acontecimentos é como descobrir que o mundo que vivemos, aquele onde a ignorância prevalece, não passa de um mundo fantasioso. Não é qualquer um que tem coragem de tentar saber a verdade, pois a verdade nos tira o sono, a verdade nos coloca no meio do mundo real. Mas apenas no momento em que começamos a questionar, começamos a tentar achar o verdadeiro porquê dos fatos, é que podemos mudar algo. Ignorar pode nos fazer felizes. Mas nos mantêm acuados.

Doce Tentar

Construir mundos, destruir outros. Superar pensamentos, sentimentos. Ir atrás do que se quer, parar quando se deve. Um dia após o outro, não há segredo, não há mistério, não é tão difícil quanto parece. Desfocar-se dos problemas, ficar diante deles, analisá-los, distanciar-se. Transformar aquele monstro tão assustador em um gatinho. Nossas incertezas sempre são as maiores do mundo, nossas dores superam qualquer história que se conta. O tempo passa rápido demais para lamentações durarem mais que um dia. A vida corre e nunca ninguém vai segurá-la. Nem sempre um dia pode ser maravilhoso, mas todo dia é um novo dia. Todo dia é diferente, e nele que é que estão as oportunidades de quando chegar o fim de tudo a gente saber que valeu a pena.

***

Hoje eu me retiro de cena. Eu busco força nos mínimos detalhes, eu dispenso quem apenas me faz mal, eu me reitero, me disfarço. Não me incomoda mais as mesmas ruas, o mesmo horário, o mesmo destino. Não me incomodo com dias de sol, nem de dormir cedo na sexta-feira. Não me importa não te ver como antes, nem projeto futuros. Me satisfaz sentar na sacada a noite e ficar procurando estrelas, com o pensamento voando louco para estar no papel. Meu tempo hoje é calmo, eu reaprendo a respirar, eu retomo forças perdidas. Apenas uma pessoa sabe tudo que se passou, tudo que ficou. Apenas uma pessoa sabe que tudo acabou. O que eu fiz, o que eu quis, o que se foi, o que ficou. Nada pode se comparar a minha vontade. Intraduzível vontade. Vontade não adormecida. Que me segue. Que dorme e acorda comigo. Que toma conta do que escrevo e é constante no meu pensamento. Minha vontade só vai se esvair no dia em que ela for tua…

I Got The Power

Eu vou dominar o mundo. Sim. Eu, o Pinky e o Cérebro juntamente com alguns aliados, estamos em vias de dominar o mundo. Claro com um bom planejamento prévio para que não haja sobressaltos no decorrer da luta companheiros. Como chegaremos ao nosso objetivo? Temos que ter em mente que é preciso a dominação de partes. Começaremos dominando o mundo pelo futebol. Boa essa hein? Sim, primeiro dominaremos o Brasil, já que o Rio Grande do Sul é nosso, depois a América e logo após o mundo. Ah! Também vou casar com o Fernandão, por que vamos combinar que dominar o mundo com o Fernandão do lado é outra coisa… Imagina invadindo a sala do Bush com o Fernandão dando cobertura. Ãh? Temos que tomar conta na política também. Alguém aí tem algum primo amigo chamado Delúbio? Marcos Valério? Algum outro nome estapafúrdio assim? Seria um bom começo… Ah, claro! Temos que fundar uma religião! Fundir a cientologia com o espiritismo proclamar um papa (pode ser Gustavo tudo bem) e chamar o Edir. Não o Edir não senão a gente ia ficar sem dinheiro… Temos também que ter as pombas como aliadas. Sim. Isso mesmo. As pombas. Por quê? Simples, esses bichos aí são ninjas. Já repararam como elas sempre ficam na frente do carro, e você sempre acha que vai atropelá-las quando elas simplesmente saem caminhando e nunca, mas nunca morrem? Os meios de comunicação!!! Precisamos tomar conta da Globo!! Bom, isso é o começo dos planos da dominação mundial. Alguma outra sugestão entre em contato. Aliás…Alguém tem aí o e-mail do Bin?

Aprendendo a Viver

Tudo se faz diferente. Todos os dias o mesmo dia. Por que não eu? Essa pergunta muitas vezes amanhece comigo, mas se desfaz no decorrer do dia. Se tivesse dado certo? Como seria? Não sei. Sei que já era e quando fiz o que fiz eu sabia de todo o risco, sabia que quanto maior a altura maior a queda. Mas como poderia eu saber se iria cair ou não? Como poderia saber até onde eu conseguiria subir? E na verdade, será que ainda não falta um pedaço de tudo? Muitos questionamentos, poucas respostas. Deixei minha fase “Coelho de Alice” pra trás. Não vou correr mais atrás do relógio. Não tenho mais o porquê disso. Fiz, está feito. É hora de recolhimento. É hora de sair um pouco de cena, deixar alguma coisa correr, focar-se em outro aspecto da vida. São dias assim. Dias de paz. Até quando eu agüentarei tanta paz?

***

Cuidado. Pessoas podem ser maravilhosas. Podem ser surpreendentes. Podem ser fascinantes. Porém pessoas têm a capacidade mental de formular pensamentos destrutivos. Não confie muito em alguém, não abra sua vida sem algum motivo especial, deixe alguma coisa no mistério do silêncio. Muitas vezes temos necessidade de gritar ao mundo o que sentimos, o que fazemos e para onde vamos. Grite. Mas para as pessoas certas. Confie no seu instinto, pode parecer bobagem, mas ele acerta. Tome cuidado com pessoas que se desdobram demais, pessoas que chegam com promessas demais, com amor demais. Ninguém sincero ama demais em um primeiro segundo. Olhares são melhores que palavras. E no fim, ou no meio do caminho, quando paramos e vemos que temos algumas poucas pessoas do lado, mas que são aquelas que te acompanham como vento, é que nos damos conta: a vida é boa…

Image

My Soul

Até que ponto o medo nos coíbe? Até que ponto o medo nos liberta? Qual o limite para respeitarmos nossos medos? É necessário respeitá-los? O que é preciso é desfazer amarras. Medos se rompem, medos se transformam. O que ontem nos deixava paralisados, hoje pode nos fazer andar. Ficar se escondendo atrás de medos é deixar de saber o que está além, é acovarda-se por algo desconhecido. Se vai dar certo, se é isso que quero, se posso ir adiante? Quem vai saber? Apenas você. Apenas quem destrói seus medos pode ter a sensação de transpor barreiras que poderiam parecer impossíveis de retirar. Eu tenho medos. Ontem eu tive medo. Tenho muitos. Eles mudam, eles nascem, renascem a cada dia. E é neles que encontro sempre motivação para saber e tirar a prova de que posso mais. Muito mais.

***

Por que esperar tanto? Por que demorou tanto? Por que é difícil acordar? Toda uma vida tentando acreditar em algo. Talvez não só uma vida. Talvez menos. Uma vida com muitos porquês. Muitos talvez. Poucas respostas. Mas alguém tem resposta? Alguém sabe onde acaba o arco íris? Não acaba. Não há fim. Não há paz. Mas eu quero. Quando será o dia em que tudo ficará em paz? Apensa no fim? Não. Não pode ser. Não no fim. O céu deve isso a mim. Me desfaço das ilusões. Me transformo em mim. Sem máscara nenhuma. Com algumas mágoas, pois elas não deixam de existir, porém confiando que o mundo está aí. Não há mais o que chorar, nem o que sofrer, nem lamentar. Alguns não merecem lamentações, por mais que isso me corte ao meio. Não mais. Game over.

***

Te retirei do meu dicionário.
No lugar do teu nome coloquei o meu.
Reencontro.
Eu, eu mesma e a Lenne
Nada poderá me fazer voltar.
Nem por um segundo eu retomo o que me fez mal
Apenas por inovações.
Talvez aí eu recomece.
Não volte.
Mas recomece

Changes

Mudando o foco
o assunto
o lugar

mudando o trejeito
os olhares
os amores

mudando o relato
o fato
o extrato

mudando as culpas
os erros
o medo

tirando o pó
o teu numero
as escamas
as normas
o teu nome

revelando outro lado
desistindo do acaso
investindo em certezas
esquecendo o passado
reinventado jogos

tecendo estradas
jogando com o destino
reeinterando vontades
ressuscitando aos poucos
tudo conforme a música

uma nova música