O valor do cheiro do ralo

Filme baseado em livro de Lourenço Mutarelli, estreou dia 19/03 e traz Selton Mello como protagonista vivendo um personagem cuja função principal é dar valor a todas as coisas. Desde a bunda pela qual se apaixona, passando por algumas quinquilharias que os endividados trazem para ele comprar, chegando até mesmo a avaliar as pessoas com quem ele se relaciona. Esta é a mensagem principal do filme, refletir sobre como nós damos valor às "coisas" com as quais nos relacionamos em nossa vida.

Continue lendo “O valor do cheiro do ralo”

POBRE BRASILEIRO

Lendo o jornal de sexta-feira [início de Março], a Folha de S. Paulo, não pude deixar de me indignar com a coluna intitulada "Lula e a lei do mínimo esforço", de uma tal Barbara Gancia. Não pela crítica que ela faz ao nosso comandante em chefe, dizendo que ele prefere "tegiversar" ao invés de dar uma resposta concreta com relação ao problema da segurança pública no Brasil. Continue lendo “POBRE BRASILEIRO”

Eduardo Bueno: apropriação ou disseminação do conhecimento histórico?

Apesar de muitos historiadores torcerem o nariz para o jornalista Eduardo Bueno, eu tenho aprendido a respeitá-lo muito, especialmente neste último ano, em que cursei meus primeiros dois semestres do curso de História. Apesar do tremendo clichê, um cara que consegue fazer com que a História pareça menos chata ao público não "iniciado", vendendo dezenas de milhares de livros que versam, basicamente, sobre História do Brasil e Ibérica, só pode merecer todo o meu respeito e admiração. Continue lendo “Eduardo Bueno: apropriação ou disseminação do conhecimento histórico?”

Blade Runner e a questão da morte

Quem já assistiu ao clássico Blade Runner, o caçador de andróides, sabe que o tema principal do filme é a questão da finitude do ser humano, isto é, a morte. Nós, humanos, sempre fomos inconformados com o fato de que um dia cessaremos de existir, e vivemos nossos dias sempre a tentar postergar aquele que será o nosso encontro final. Está aí todo o progresso da medicina que não me deixa mentir sozinho.

Continue lendo “Blade Runner e a questão da morte”