Inacabado?

A história só se repete de duas formas: como farsa ou como comédia. Ele, ali, sentado, torcia para que ao menos fosse verdadeira a segunda opção. O fato é que durante todos aqueles cinco anos ele aproveitou sua vida como pôde, mas não conseguiu tirá-la da cabeça. A impressão é de que tinha um assunto não acabado com ela, embora a própria tenha repetido que tudo, TUDO, estava acabado. Várias vezes. Continue lendo “Inacabado?”

Janela(s) da Alma

O ser humano possui cinco sentidos, mas o mais explorado na história das civilizações, sem dúvida, é a visão. A estética muda ao longo dos séculos, junto com a indústria da moda; a propaganda, “primeira filha” do capitalismo, seduz nossos olhos e nossas mentes, apelando aos nossos desejos mais íntimos para garantir consumidores; e as mudanças sociais, políticas e econômicas transformam nosso modo de ver o mundo que nos rodeia, gerando diferentes interpretações até mesmo das cenas cotidianas.

Continue lendo “Janela(s) da Alma”

Imaginação fértil

Gosto da minha imaginação, de maneira geral. Tenho grande facilidade em inventar personagens (não sei se suficientemente sólidos para escrever um livro, como eu gostaria), imaginar cenários e situações às vezes bastante… Esdrúxulas, eis a palavra. Uma imaginação fértil, que basta uma frase solta ou um comentário de um amigo para eu começar a desenrolar o fio de uma narrativa…

Continue lendo “Imaginação fértil”

Belo e efêmero

Um amigo meu da época de colégio me advertiu hoje que só sei escrever poemas sobre coisas ruins. Ora, tenho dúvidas de que meu último poema publicado aqui (Best-seller) seja sobre algo realmente negativo; a maior parte de minhas idéias surge justamente de dúvidas. Às vezes, ainda, a inspiração vem de um livro que eu estou lendo ou de um filme que assisti. Continue lendo “Belo e efêmero”