1º de outubro não é 1º de abril

Politicamente falando, brasileiro tem muitas famas: esquecido, displicente, desleixado, despreocupado, fanático e, obviamente, rei da maracutaia e do jeitinho. Privilégio ou não do nosso povo, isso acaba obscurecendo um sistema de votação eletrônica fantástico, que nos dá o resultado de uma mega eleição em até 24 horas. Menos elogios eu poderia fazer às pesquisas eleitorais, até Continue lendo “1º de outubro não é 1º de abril”

E o jogo?

Cenas de violência e barbárie marcaram o GreNal 366 no último domingo. O que era para ser um espetáculo por pouco não virou uma tragédia. Parece que há muito pequenos grupos ou até mesmo perversas individualidades se misturam ao grupo para terem sua força potencializada e com impunidade garantida. Freud já descrevia “O fenômeno das massas”. Eu estava do lado vermelho e a primeira invasão azulada

 

Continue lendo “E o jogo?”

O Roubo

Seu sócio voltou eufórico da cartomante. Eram boas notícias. A empresa teria um grande futuro e tinham que seguir investindo e blá blá blá. Previsões e previsões. Mas havia, com sempre, um porém: um amigo acabaria por roubar dinheiro da empresa. A idéia de traição inicialmente não o perturbou. Mas pouco a pouco tudo que a cartomante disse foi acontecendo. Foi inevitável lembrar-se de que algo ruim

 

Continue lendo “O Roubo”

Natal do Zé

Oi, me chamo Zé das Couves. Sim, eu sei, Tem muito Zé das Couve por aí. O quê? Não, não planto couve não, meu senhor. Trabalho por aí fazendo uns biscates no comércio. Mais especificamente o que? Ah, o que aparecer. Depende da época. Agora por exemplo: me visto de Papai Noel e fico batendo a sineta na frente das lojas gritando “Ho Ho Ho” bem alto pra ver se assusto as crianças e escapo de dar

Continue lendo “Natal do Zé”