Normas

Atenção!

A leitura atenta das Normas de Publicação e dos Termos e Condições para o Bom Uso do sítio apresentadas abaixo é fundamental para o melhor proveito da navegação e o entendimento de alguns preceitos básicos que regem o presente site.

Leia com cuidado!

Normas para Autores (Normas de Publicação)

Normas para Usuários (Termos e Condições para o Bom Uso)

Participe

O Simplicíssimo é um espaço aberto, é realmente você dono de um jornal virtual. Pense neste site como um bom pedaço de argila que podes moldar ao seu bel prazer. Venha: meta a mão no barro e vamos brincar de fazer arte, de criar e espalhar nossas criações.

Vamos inundar os corpos e mentes cansados de criatividade e originalidade.

Mas atenção: antes de enviar sua contribuição é fundamental que você:

  1. Realize seu cadastro;
  2. Certifique-se de que você está de acordo com as Normas de Publicação;
  3. Leia, entenda e siga as Orientações ao autor;
  4. Envie seu texto via formulário do site.

Lembrando: vale qualquer coisa em se tratando de prosa, poesia, contos, crônicas, divagações, teorias, letras de música, receitas culinárias, reproduções de pedaços da lista telefônica, extratos bancários, excertos de livros que te chamaram atenção, citações, resenhas, resultados de pesquisas científicas, teses de mestrado, doutorado, pós-doutorado ou pós-pós-doutorado, opiniões, sugestões, redações e composições do tempo da infância, etc., ou seja, qualquer forma de expressão cultural na forma escrita que possa ser reproduzida nestas páginas.

AO ENCAMINHAR UM ESCRITO, PREENCHA NO SEU CADASTRO AS INFORMAÇÕES COM SEU NOME OU PSEUDÔNIMO E UMA BREVE (OU EXTENSA) APRESENTAÇÃO DE SUA PESSOA (IDADE, O QUE FAZ DA VIDA, Ê TÊ CÉ TÊ RÁ), UMA FOTO E INDICAÇÕES DE LIVROS, SITES E FILMES E MÚSICAS. Pelo menos uma indicação de cada é obrigatória.

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: devido ao grande número de colaborações nos últimos meses, existe uma espera de pelo menos 4 semanas até a publicação de seu texto a partir da data de envio. A tendência é que este tempo varie entre 3 e 6 semanas, portanto não se desespere! Mantenha-se de olho grudado no Simplicíssimo que logo, logo ele aparece! Somente os Simplicolunistas têm participação garantida em todas edições. Para tornar-se um Simplicolunista, é necessário preencher alguns quesitos: em primeiro lugar, passe a enviar seus textos para o site como colaborador ocasional. Dependendo da freqüência, qualidade dos escritos e outros fatores (saiba mais aqui), é possível que a Comissão Editorial convide vossa pessoa a ingressar no quadro de Colunistas depois de algum tempo de observação e análise da sua participação no site.

Indique

INDIQUE O SITE PARA UM AMIGO

Legal você ter gostado do Simplicíssimo e nos ajudar na divulgação do mesmo. Basta digitar o email para quem você vai nos indicar no campo abaixo e clicar no botão enviar..

Para indicar este site, digite abaixo o email do seu amigo:

Continue lendo “Indique”

Como surgiu

E-zine livre de tabus e temas pré-determinados, produzido por cabeças perdidas e pensantes da capital gaúcha, arredores e interior, o Simplicíssimo nasceu da mente mui loca, superativa e idealista de Rafael Luiz Reinehr. Médico especialista em Medicina Interna e Endocrinologia, estudante de Sociologia (que não quer ser presidente da república), 26 anos, natural na cidade das garotas verão, Agudo, no centro Rio Grande do Sul.

Tudo começou a tomar corpo na década de 90, com um maior número de estímulos recebidos pelo jovem quando deslumbrou-se na grande capital dos pampas. Surgiu, na época, um fanzine chamado Joe Volume que, depois, transformou-se no Simplicíssimo. A antiga versão era rodada em uma impressora jato de tinta, com cerca de cinco cópias por edição, distribuída entre amigos. Finalmente, em 25 de outubro de 2002, transformou-se em e-zine, tendo ampliada a participação dos leitores.

Mas, para aumentar o alcance das idéias, o e-zine ganhou, em 26 de junho de 2003, espaço na tal de world wide web, divulgando ainda mais as "Viagens Psicodélicas Impressas no Éter Universal". Ah, o nome, Simplicíssimo, foi chupado e
traduzido de um jornal alemão majoritariamente de cartuns, da virada do século XIX para o XX, que criticava a sociedade e política vigentes, sempre com muito bom humor, algo que lembra muito o "O Pasquim".

Além do idealizador, que organiza toda a balbúrdia de idéias,
escreveram antes do e-zine tornar-se site, esporadicamente ou freqüentemente: Adriana Fornari (médica endocrinologista), Adriano Oliveira (estudante de psicologia), Alessandro Garcia (publicitário e escritor), Alexandre Ulrich (médico anestesista), Blau Souza (médico e editor de Médicos (Pr)Escrevem), Carolina Schumacher (estudante de psicologia), César Schirmer dos Santos (mestrando em filosofia), Daiana da Silva (jornalista), Daniel Dutra (estudante de psicologia), Débora de Azevedo (estudante de odontologia), Edi Ouro (ex-funcionário do Grupo Coquetel), Eduardo Hostyn Sabbi (médico psiquiatra e "homepagemaker"), Evelise Birck Rodrigues (enfermeira), Everton Ferreira (estudante de engenharia elétrica), Fabiano Fraga de Carvalho (médico residente em medicina geral comunitária e músico), Idésio de Oliveira (enfermeiro e poeta), Juliana Robin (estudante), Mestle Kuh-Kah! (cozinheiro chinês exclusivo do Simplicíssimo), Mirian Laise Paul (estudante de pedagogia), Pedro Schestatsky (médico residente em neurologia), Pedro Volkmann (publicitário), Quéli Giuriatti (jornalista), Rafaela Trevisan (estudante de psicologia) e Rogério Amoretti (diretor técnico do Grupo Hospitalar Conceição).

Quem faz

O Simplicíssimo é feito por todos aqueles que, a um dado momento, acessam suas páginas para ler, publicar ou comentar. Desta forma, o Simplicíssimo está sendo feito agora, neste exato momento, por você, caro leitor.

Se escolhêssemos viver como ermitões, não precisaríamos escrever para ninguém. Escreveríamos para nós mesmos, para as montanhas ou para os pássaros e as árvores. Mas escolhemos viver em sociedade, escolhemos nos relacionar com outros seres humanos e por isso estamos aqui, compartilhando cultura.

Ao longo destes anos, muitos autores passaram pelas briosas e psicodélicas páginas no Simplicíssimo. Ao lado de escritores quase anônimos e consagrados, tivemos uma miríade de pessoas das mais variadas profissões e ocupações (físicos, filósofos, estudantes, administradores, professores, analistas de sistema, editores, médicos, advogados, designers, psicólogos…) escrevendo em nossas páginas. Isso muito nos honra e enche de energia para seguir trabalhando.

Alguns chegam timidamente, colaboram com um texto e se vão. Outros, mais expansivos, querem publicar um texto por dia, muitas vezes republicando seus escritos em dezenas de sites pela web. Entre estas extremidades, entretanto, é que se encontra o crème de la crème do Simplicíssimo: aqueles autores que chegam de mansinho, publicam um texto, gostam, enviam mais um, vão se aprochegando, conquistando seus colegas colunistas e, em um dado momento, recebem o convite do Editor para se tornarem também colunistas.

São estes os verdadeiros artistas que trazem vida ao Simplicíssimo. Uns tantos permanecem por meses, outros ainda tem seu nome associado ao site por anos, e já não conseguimos imaginar a Nau sem sua presença.

O leitor mais atento sabe quem é cada um. Acaba por escolher seu autor (ou autores) preferido(s), tem a coluna semanal que não perde por nada, deixa seu comentário ou, em alguns casos, até imprime o texto para levar para o mural da empresa ou para ler no engarrafamento.

Quem faz o Simplicíssimo não tem nome. Quem faz o Simplicíssimo sou eu, é você e são eles. Vamos ler o que eles têm a dizer? Nós também queremos ouvir o que você tem a dizer. Participe, quer seja comentando os artigos publicados, quer seja enviando seu próprio texto. E venha fazer parte desta comunidade cultural chamada Simplicíssimo – Viagens Etéreas e Psicodélicas Impressas no Éter Universal.

O que é

Viagens etéreas e psicodélicas, livre associação e graforréia incontrolada, pensamento abstrato e concreto ocupando o mesmo espaço…

Esse é o Simplicíssimo. Cada um escreve sobre o que quer, não há pauta, não há restrições, não há limite de espaço ou palavras. Liberdade para ser utilizada ao seu bel-prazer!

Uma legítima colcha de retalhos! A teia da vida em sua caracterização plena, interligando e conectando pensamentos diversos em um só lugar e em lugar nenhum e todos os lugares ao mesmo tempo.

Um desafio à inteligência e uma resistência à demência imposta pelos meios de comunicação de massa que nos empurram dia após dia mercadorias prontas para o consumo de nossas pobres mentes adormecidas. Vamos acordar e revolucionar! É Simplicíssimo!