Excêntrico

Saí para caminhar em uma tarde qualquer de outono.

     Porque era daqueles que abria o guarda-chuva antes de chover,

          e o fechava logo depois que iniciasse

Chamavam-me excêntrico.

               O número de coincidências, entretanto,

          necessárias para que duas pessoas se enamorem

     é razão suficiente

Para justificar os comportamentos bizarros de qualquer indivíduo.

Um novo ano que entra, um novo horizonte se apresenta

    O texto a seguir é o conteúdo de uma carta enviada aos membros da rede Coolmeia, Ideias em Cooperação, uma incubadora de ideias altruístas, que fundei em abril de 2009. Coloco-a aqui pois quero deixá-la como um convite para que os leitores do Simplicíssimo que também tiverem ímpeto de ativistas sociais, culturais, ambientais ou comunitários tomem conhecimento da iniciativa e, esperançosamente, entrem em contato para que possamos trabalhar juntos na construção de um Mundo Melhor.

     #     #     #     #     #

    Os anos de 2009 e de 2010 foram, para mim, anos de experiência. Foram dois anos nos quais comecei a colocar em prática aquilo que aprendi diretamente com a observação ou indiretamente a partir de pegadas deixadas pela emoção dos encontros. Encontros não somente presenciais, com pessoas ou fatos, mas encontros com ideias, com ideais.
    Pois estes encontros, que começaram e minha vida há mais de 34 anos atrás, me chamaram para uma experiência: a de entregar parte de minha vida a causas que esteja fora do meu escopo individual ou familiar, que ultrapassem o campo que abriga meus amigos e minha própria comunidade. Fizeram-me virar o olho do meu umbigo para o umbigo do mundo.
    Se é claro que este processo não começou há apenas dois anos, mas foi uma somatória de insights, percepções e sínteses dos últimos 15 anos, pelo menos, também é notório que se intensificou nestes últimos 2 anos, com a criação da Coolmeia, em 22 de abril de 2009.
    A criação desta “rede do bem”, esta incubadora de ideias altruístas, que busca encontrar soluções e ações para ajudar o maior número de pessoas possível, me colocou em contato com pessoas fantásticas, de várias partes do mundo. Pessoas que estão realizando hoje o mundo que sonhamos para amanhã. Pessoas que me fizeram perceber que, se ainda não vivemos no mundo em que sonhamos, é porque nos são ocultadas as ferramentas para construi-lo, nos são, disfarçadamente, colocados desvios em nosso caminho.
    Certifiquei-me, nestes dois últimos anos, que há como reconhecer estes desvios e também reconhecer quem os coloca ali, para que não cheguemos ao nosso objetivo. São sempre os mesmos, portanto são fáceis de reconhecer. Não tão fáceis de conversar com, pois possuem um poder econômico e político imenso e pretendem, geralmente, anular quem com eles deseja manter diálogo. Mas, interessantemente, podem ser ignorados. E com isso, se esvanesce boa parte de seu poder.
    Chegou o momento de usar esta rede, a Coolmeia, para apresentar estas pessoas que estão construindo outros mundos, possíveis, uns aos outros. Apesar da linguagem ser uma barreira, talvez possamos usar ferramentas tecnológicas atuais – como o Google Translator ou outras menos conhecidas – para estabelecer diálogo. Ainda, grande parte destas pessoas incríveis estão aqui mesmo, em nosso Brasil. E é por aqui que devemos começar. Me atrevo a dizer que devemos começar menores ainda: cantando nossa aldeia, como dizia Tolstói.
    Em 2011 farei isso: cantarei minha aldeia para o mundo. Exporei suas mazelas, sim, mas entoando um hino de esperança. Mesmo que hoje eu veja uma seca de emoções, de comprometimento e de convivialidade em minha comunidade, não consigo deixar de ver oportunidade e possibilidade de mudança. E te convido para fazer isso também: cante a tua aldeia!
    Mas se, como disse, irei trabalhar em minha comunidade, estarei atento a cada canto deste nosso país e deste mundão – ajudando a compartilhar experiências bem-sucedidas de transformação social, melhoria de acesso à saúde, ampliação da qualidade na educação, empoderamento econômico de quem mais necessita e, perpassando todas estas e outras mudanças, experiências de sustentabilidade ambiental e respeito para com todos os seres vivos.
    Até fevereiro de 2011 deveremos estar lançando nossa rede definitiva – baseada em Drupal Commons (o mesmo sistema utilizado pelo governo norte-americano em suas plataformas de governo aberto). Tal plataforma online deverá nos ajudar a alavancar os projetos e iniciativas que começaram a engatinhar em 2009 e 2010, facilitando a troca de experiências entre os membros da rede, bem como facilitando encontrar pessoas com afinidades parecidas para discutir, aprimorar e implementar projetos em nossas comunidades ou mesmo a nível nacional ou global.
    Estaremos lançando nos próximos meses o projeto 2100 Ideias para o Século XXII, quando estaremos convidando toda a comunidade global a nos oferecer ideias, práticas e soluções a serem implementadas nos próximos 89 anos para que tenhamos um ano de 2100 mais próximo dos nossos sonhos. Inauguraremos também um novo logotipo, generosamente criado por Frederico Oliva.
    Esta lista, que agora está sendo utilizada como um meio de comunicação em um momento em que estamos em fase de transição entre redes será desativada, e a nova rede social, cujo nome deverá ser Bem Comum ou então Tear – Onde as Redes São Tecidas, será nosso meio de comunicação rotineiro.
    Desta vez, uma série de tutoriais detalhados, destinados a quem tem poucas habilidades online mas um desejo grande em participar serão disponibilizados. Ninguém que tiver interesse, disposição e comprometimento ficará de fora.
    Focaremos também em organizar e conectar os membros localmente, para que possam se encontrar fisicamente para estreitar os laços e realizar projetos locais, bem como possibilitaremos encontros a partir de interesses e temas comuns, como de costume.
    E esta carta já ficou mais longa do que eu previa e, imagino, poucas pessoas chegaram até aqui. Se você foi uma destas pessoas, obrigado por sua atenção e seu tempo. Estou certo de que nos veremos em 2011 e tornaremos reais significativos projetos em 2011.

    Que este ano lhe reserve fantásticas realizações e muito bons encontros.

    Atenciosa e fraternalmente,

    Rafael Reinehr
    http://coolmeia.org
    Coolmeia, Ideias em Cooperação
    uma incubadora de ideias altruístas

Pensar e Viver a Educação em uma Sociedade em Colisão

Como já dizia Ramalho Ortigão, Aprende-se de tudo menos a descobrir, a pensar, a sentir conscientemente, analisando, criticando. Tem-se uma educação por via da qual se pode chegar a ser deputado, mas nunca um homem.

Enquanto as estatísticas insistem em nos informar que estamos cada vez mais "conectados", bastando ver para isso o número de telefones celulares, computadores e o acesso à banda larga, da janela lá de casa vejo o contrário: parece que estamos cada vez mais desconectados.

Humanos que somos, trocamos informações mas estas já não correspondem a afetos. Quando elicitam emoções, estas parecem embotadas, ou são desproporcionais aos estímulos recebidos. Troca de informações funcionam bem entre máquinas e computadores, mas nem tão bem em nosso hardware e software animal.

Buscando ajuda para pensar em uma Sociedade distante de seu ponto de equilíbrio, criei hoje uma pergunta lá no Fórum do OPS! Debate: Qual o papel da Educação em uma Sociedade em colisão interna?

Reflita e ajude-nos a responder esta intrigante questão. Responsa no Fórum, por gentileza, para aquecer o debate.

Do virtual ao real: redes que transformam a realidade

Hoje a coluna é um pouco diferente. Em vez de um texto, uma apresentação.

Quero compartilhar com os amigos a apresentação que fiz neste sábado, no Twitter Mix 2010, em Bento Gonçalves.  O Twitter Mix é um encontro entre twitteiros, blogueiros e interessados em redes sociais que, em 2 dias se encontrou e discutiu uma série de temas relacionados às mídias sociais. Foram dois dias intensos e muito produtivos.

Segue minha apresentação, em .pdf, abaixo. Sinta-se à vontade para criticar e comentar.

http://reinehr.org/pdf/dovirtualaoreal.pdf