Simplicíssimo

Os anjos

O menino está na praia, antes andava comigo me levando de mãos dadas sorrindo a atravessar a rua.

Seu corpo vermelho, branco demais bronzeado foge da vírgula que me atormenta um minuto que se estende por milhões de outros no tempo que não se esvai não termina e nem se dobra.

O menino brinca com o mar a areia a praia e ergue sua alegria aos céus transformada em uma chuva de gotículas de água salgada espalhadas pelo vento.

Ele brinca alegre em meio às ondas de um mar verde que o abraça, o engole e o devolve.

Sua mãe a mulher que eu amo admira orgulhosa a criança brincando grávida de beijos amor e carinho. Ela sorri e seus maravilhosos azuis refletem o céu e a alegria de um momento único.

O menino chama por sua mãe sorrindo e os dois brincam por um segundo com a areia fuliginosa e cinza de novembro.

O menino lança aos céus uma chuva que chove gotículas salgadas vindas do mar que se espalham ao vento uma pequena sinfonia de natureza e felicidade.

– pequena? só para mim, que sou velho e triste demais para amar o mar o céu e a praia como uma criança de nove anos.

Quatro anos atrás, escrevi estas linhas. O tempo passa e as coisas mudam.

Hoje, o amor se transformou em saudade.

E o menino cresceu.

Creio em segundas chances, recomeços e renascimentos.

E aprendi a acreditar em dolorosas saudades, sem esperança.

 

Thiago Fuschini

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!