Simplicíssimo

E a paixão continua

 

     Quero que me perdoem gauchos e riograndenses, mas cada vez mais matucha participei de um concurso de cronicas, nem lembro mais o ano, sei que no século passado, que dizia mais ou menos assim: Quanto mais convive-se com ela, mais a paixão aumenta. Esta morena realmente é deslumbrante. Por destino quis aqui querenciar-me e saí, a procura de um rancho para fixar morada.

     Quando encontrei meu cantinho descobri que o nome do Bairro era Mata do Jacinto. Logo fui indagando:

     – Quem foi Jacinto? A mata petencia a Jacinto, ou o Jacinto é que lhe pertencia?

     Sempre fui curiosa, lógico sou mulher . A mata também é feminina (por isso da curiosidade).

     Incucui (gostei dessa expressão), perguntava aos meus novos conhecidos:

     – Por que Mata do Jacinto?

     Qual o quê! Alguém sabia? Seria ele dono da mata ou a mata era sua dona? Reparei melhor :

     – Cadê a mata?! Será que, como Jacinto também ela é lenda?

     Acho que o Jacinto é bem mais velho que a nossa querida Campo Grande. Ela ainda é tão moça!

      Quanto ao Jacinto, já decidi: continuarei indagando. Descobrirei grandes histórias, dentro  da historia. A de um bairro dentro de uma cidade. Cidade bela, morena faceira, quente (por causa da hospitalidade), crescendo, tornando-se magnificamente adulta. Mulher bonita.

     Para que a pressa? Vou terminar meus dias com ela, essa morena, minha Campo Grande, eterna.

    

Maria Sarti

Últimos posts

Follow us

Don't be shy, get in touch. We love meeting interesting people and making new friends.

Most popular

Most discussed