Simplicíssimo

Traumas

Bola de couro espalmou no estômago. Baque surdo do desencanto.
O riso coletivo esbofeteou meus ouvidos.
A menina suja de dentes amarelos possuia a força das ruas.
Meu cheiro urbano e bem tratado, cusava náuseas à enfraquecidos meninos esquálidos.
No campo de terra ficou um pé de sapato de marca.
O vestido de griffe manchou de raiva passiva.
O jogo acabou. A bola hiperusada foi recolhida.
A mágua ficou escondida.
Rustida vergonha infantil permaneceu.
Na carne a dor.
Na mente adulta a cura em divãs.

Maria Sarti

Últimos posts

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!