Simplicíssimo

Irracionalidade Instrumental

I-racional
Num me correge que eu pioreio 3/X
Quiria fazê as coisa serta
aviãozinhu, quiria vuar
o pó quiria xerar
-x-x-x-

vou colher aromas do campo
hortelã com casaco de lã
para esquentar meu amor

-x-x-x-

Muito se fala sobre racionalidade. Existe muita discussão acadêmica sobre o assunto e também muitos questionamentos cotidianos sobre a racionalidade de certas ações de pessoas isoladas ou de grupos de pessoas e até mesmo de sociedades inteiras.
Discutem-se desde práticas culturais de sociedades primitivas tais como somo extirpação de clitóris, mortes por apedrejamento devido a adultérios. Também são discutidos aspectos relacionados com pequenas decisões diárias, tais como a compra de um bem ou relacionamentos amorosos.
O que é discutido em pequenos grupos e, tal qual o sistema em que vivemos é a questão do utilitarismo. Dificilmente discutimos as coisas como elas são, tergiversamos sim, sobre o quanto úteis para nós é determinado item.
Tudo é classificado, enciclopédias mil fazem a pré-ciência da ordenação. Ordenações simples baseadas em critérios únicos ou alguns poucos pontos de convergência.
Vivemos na era da separação: lixo, divórcios, povos, ideologias.  Pior separação ainda é aquela estabelecida por critérios distintos da sobrevivência e segurança. É a separação do igual, criando divergências para separar vidas humanas.
Escolhas de poucos com um critério único de escolha: é útil somente o que virar dinheiro, fácil e rápido. O resto que se lixe, ou melhor, é lixo! De preferência orgânico, já que é bonito cobrar para respirar e agora é possível transformar a poluição dos ricos em impostos sobre o ar que todos nós respiramos.
De ré na contramão, feliz da vida, pois só pago quando respiro. Ainda bem que estou quase sem ar.

 

Pedro Armando Furtado Volkmann

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!