Simplicíssimo

A Coragem de Amar

Imagino que este título enseje a curiosidade sobre o texto. Então, talvez seja melhor eu ir logo avisando que não se trata de um discurso psicanalítico, tampouco um guia de auto-ajuda. É bem mais simples (ou não) que isto. É o comentário de um filme com este nome. Também não me entendam como um crítico de cinema ou coisa parecida. Realmente não o sou.

Mas o fato é que “A Coragem de Amar” me encantou. É curiosa a forma como cheguei a ele, sem indicação ou propaganda alguma. Uma semana antes, atraído pela fuga ao conhecido e enfadonho (nem sempre) cinema americano, assisti “Crimes de Autor”. Um filme francês com um enredo muito bem elaborado e conduzido, do diretor Claude Lelouch. Quis saber mais sobre ele e eis que o filme em questão se apresentou. Não titubeei (se escreve assim mesmo, aprendi ontem), fui ao cinema e posso dizer que vale a pena, qualquer pena, todas elas até.

Até hoje, foi o único filme que assisti três vezes no cinema. E não posso prometer ficar por aí. Ótimo roteiro (que te prende a atenção até o final), cenografia (lindas tomadas de cena e uma ponte exuberante), música (prepare-se para ficar com uma na cabeça por muito tempo), detalhes ocultos a serem percebidos, etc. É leve, divertido e envolvente.

Ah sim, a história … Shaa, a bela protagonista, quer cantar e fazer sucesso com a música. O ponto de partida é o músico de rua Massimo. Estou me segurando para não contar o restante e estragar a surpresa. Em torno deles, outros relacionamentos se desenvolvem e se misturam, como as irmãs gêmeas marcadas pelo destino, Gorkini, um pizzaiolo com caráter invejável do início ao fim e uma atriz que encena teatro e realidade numa coisa só. Aliás, esse é um traço marcado e interessante no filme. O músico é um músico na vida real; as irmãs gêmeas são papéis interpretados por uma mesma atriz real; o diretor real (Claude Lelouch) é diretor de um filme dentro do próprio filme. Você acaba não sabendo até que ponto a história não é mesmo toda real. A Coragem de Amar

Surpreendeu-me, no entanto, a pesada crítica do colunista do site Omelete, Marcelo Hessel. Embora em troca de emails ele tenha me confessado tratar-se mais do seu gosto pessoal do que questões técnicas, acaba desestimulando qualquer um a assistir esta obra e mesmo a ter a coragem de amar. Estilos à parte, este é o meu e este é O FILME!

Eduardo H. Sabbi e Ibbas Filho

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!