Simplicíssimo

até que um dia…

As vezes a gente cai na real. Acontece assim, olhando pro nada, olhando pra si e pras paredes. E a gente percebe que as coisas são de fato, muito mais simples do que a gente imagina.

Ter os pés no chão até parece 1º mandamento. Não ter os pés no chão, parece nascer com deficiência. E as vezes a gente se torna deficiente, a medida em que o tempo passa, e a medida em que a gente se permite deixar de ter medo da gente. É ai que as coisas acontecem sem uma ordem mas com uma certa organização indireta, das entrelinhas, dos meios e não dos fins.

É meio difícil entender o que poderia o não se passar num filme da vida. Parece a nossa mente. Cheia de complexidades e deficiências, cheia de coisas do mundo. Ela não é deficiente, tem os pés no chão e a mente no mundo , tudo interligado e funcionando , feito máquina, rotina, braços cruzados.

Somos quem podemos ser? Não somos, queremos sempre mais e esquecemos do essencial, esquecemos da gente, das pernas, dos braços, do oxigênio, das mãos, da vida singular e das coisas plurais, e num mundo cheio de dentes diferentes, ainda queremos dentadura.

Deixamos escapar segredos, deixamos de ver , pra poder falar.

E falamos a mais.

E faLAMos demais.

E estamos cegos.

Até que um dia…

Maria Ana Maioli

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!

Últimos Posts