Simplicíssimo

O jardim das camélias

 

– Você insiste em não virar a chave. Duas voltas é tudo que peço. Você trêmula das certezas, duvidosa de sua dádiva. Não nos negue nossas infindas noites acalentadas. O capacho de nossa porta criará raízes sob meus pés até que refloresçam seus frutos por mim.

– Você, Ulisses incrédulo do matrimônio, trilhe seu caminho de volta ao inferninho. Volte grande fornicador da Alameda Cabral, volte àquelas damas de desonra e seus aromas de incenso da Índia, perfumes florais e hálito de Marlboro vermelho e conhaque Presidente.

– Pois retornarei ao nosso ninho de lençóis Santista nem que para isso tenha que fazer deste quintal um imenso jardim de camélias. Jurarão juntas contra suas injúrias, todas – a mão entre a Bíblia e o rosário, duas lágrimas negras de maquiagem escorrida, cinta-liga roxa aparecendo por debaixo da saia – hão de declarar unissonantes jamais terem comigo dormido. 

   

 

Rodrigo Araujo

Últimos posts

Follow us

Don't be shy, get in touch. We love meeting interesting people and making new friends.

Most popular

Most discussed