Simplicíssimo

Nada além

Nada além

Luiz Maia
Escute essas minhas palavras em forma de ternura. São lembranças minhas. Um dia, no silêncio de seu quarto, quem sabe você possa escutá-las sem que o sentimento de culpa venha esconder sua alegria. Você nunca pediu para entrar no meu pensamento. De repente, você me invade e é quase impossível expulsá-la porque já sou eu quem a espera. Creio na força do pensamento e transformo esse meu gesto em alento cuja razão guia os meus passos. Admiro seu jeito de arrebatar corações, algo que mexe com o imaginário da gente. Sua alegria contagiante me levou um dia a pensar que você era um sonho de verão. Mas logo o inverno chegou, trazendo consigo a realidade.

Ah, esse desejo que me incendeia o peito chega a doer em minh'alma. Já não há escolhas, preciso confessar-lhe. Falo sobre o que considero um amor bonito, quando, a partir de um certo instante, eu passei a sentir por você uma atração forte a ponto de desejá-la. Até que um dia eu quis beijá-la, conhecê-la em sua intimidade. Mas em nenhum momento você usou de cumplicidade. Nas vezes em que eu a desejei, o sentimento de culpa logo se apoderou de mim. Percebi que você já não era a menina de antes e aquele seu jeito de mulher despertara em mim um sentimento bonito, mas de difícil compreensão. Sei que nem lembra, quando certa vez busquei melhorar sua aparência e sugeri que você mudasse de penteado. Eu a achava uma graça quando defronte do espelho escolhia suas roupas, arrumava o cabelo, sempre olhando para mim. Eu parecia um bobo apaixonado, admirando seu sorriso nos lábios, a me perguntar se ficara bonita.

Acontece que com o passar dos anos as coisas tomaram outras  proporções. Além do natural amor que eu sentia, fui levado de repente por um desejo que era mais forte que eu. Sem que você soubesse, eu passei a olhar de lado os seus namorados. Quando se arrumava para eles, meu ciúme era visível. Por algum tempo fiquei refém desse sentimento e isso me incomodou em parte. Até que um dia resolvi escrever uma poesia em sua homenagem, nada além disso eu poderia fazer. Creio que não escolhemos o papel que vamos representar nessa existência de forma consciente. Vamos tocando a vida e sofrendo as conseqüências do que fazemos e pensamos. Só na maturidade alguns de nós conseguem entender o que somos, o que fizemos de nossas vidas. Mas aí muita pancada já levamos e não podemos mais voltar no caminho. Nada como o passar do tempo para apagar nossas fantasias, nossos sonhos de verão.

 
Luiz Maia
http://br.geocities.com/escritorluizmaia/  
msn: luiz-maia@hotmail.com  
skipe: luizmaia1
Autor dos livros "Veredas de uma vida", "Sem limites para amar", "Cânticos" e "À flor
da pele". Recife-PE.
 
# Peço às pessoas para, sempre que possível, lançarem uma sementinha de árvores ou de flores da janela do carro, de um ônibus ou do metrô. #

Luiz Maia

Últimos posts

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!