Ojeriza

Disse em certa ocasião o filósofo Roger Rocha Moreira: “Indecente é você ter que ficar despido de cultura…”. Concordo com ele. Criança dançando o créu na TV é permitido. Mulheres melancias, jacas, morangos…
Disse em certa ocasião o filósofo Roger Rocha Moreira: “Indecente é você ter que ficar despido de cultura…”.

Concordo com ele. Criança dançando o créu na TV é permitido. Mulheres melancias, jacas, morangos, pepinos e abobrinhas, insinuando sexo mais que explícito é permitido. Amassos quentes nas novelas pode. Carnaval com as “modelos-atrizes” se esfregando no ferro de sustentação do carro alegórico é bonito e cultural.

Agora, uma passeata sem a menor pretensão de violência, agredindo as autoridades que não se sensibilizam de que a maior cidade da América Latina precisa de atenção aos ciclistas, ciclovias, acesso ao Metrô ou ao menos estacionamentos seguros para bicicletas, aí é indecente, atentado ao pudor, soca o porrete nesse sem-vergonha seu guarda… Bom, aí dá pra pensar que somos mesmo idiotas. Seria o caso de que apenas as pessoas saradas, bem tratadas e bombadas podem exibir-se, insinuar-se, mesmo que o que fazem não tenha o menor propósito?

Quando um famoso fotógrafo tira fotos de multidões nuas, em plena luz do dia, aí se trata de um evento comercial-cultural. Ok, agora eu entendi seu guarda.

Meu amigo Sergio Big disse dia desses que somos um país abençoado. Ainda temos petróleo e índios inexplorados. Pois agora que descobriram podem explorar, correto?

Enfim, dos assuntos explorados, das notícias vazias surgidas a cada hora, minuto, segundo, podemos deduzir que estamos mesmo é na mais pura merda.

Aqui ao lado do meu escritório, esta manhã, nosso presidente Lula Molusco foi homenageado, na Bolsa de Valores. Isso mesmo, você não entendeu errado. O símbolo máximo do sucesso do mundo capitalista presta homenagem ao ex-subversivo comunista-marxista-grevista, que queria a moratória, a defesa do Estado, a nacionalização das multi, e um traguinho a mais, porque ninguém é de ferro, companheiro.

Onde é que vamos parar? Mas, peraí, pra pararmos precisaríamos andar, e não consigo detectar evolução, a não ser no CQC, que já dá sinais de queda na qualidade.

Sigamos, irmãos, porque as Casas Bahia parcelam em 125 vezes iguais, e o Banco Real dá 10 dias sem juros no cheque especial. Pobre pode ter TV-LCD, centrífuga e máquina digital TEC-PICS. Boa educação e cultura que é bom, olha companheiro, só se a CSS for aprovada… Do todo, sabemos ainda que o tempo passou, o tempo voou, e a poupança Bamerindus deixou de existir.

Releio as linhas acima e não entendo mais nada, mas não quero desfazer-me do escrito. Assim, dou-te meu fruto, na friagem de Sampa, na nudez mental, na rudeza dos nossos anseios…