Terra de hienas

Hienas vivem imundas, fedem, comem carne estragada e excrementos, são feias de dar dó, e riem o tempo todo. Aprenderam por séculos a fazer isso, para não sucumbir ao fardo tão pesado de ser o que são, sem culpas…
Sabe que, quando conseguimos deixar de ficar emputecidos com as falcatruas e movimentações escusas ocorrentes em nossa capital federal, até conseguimos dar algumas risadas. São Paulo, 06 de setembro de 2005.

TERRA DE HIENAS

Hienas vivem imundas, fedem, comem carne estragada e excrementos, são feias de dar dó, e riem o tempo todo. Aprenderam por séculos a fazer isso, para não sucumbir ao fardo tão pesado de ser o que são, sem culpas…
Sabe que, quando conseguimos deixar de ficar emputecidos com as falcatruas e movimentações escusas ocorrentes em nossa capital federal, até conseguimos dar algumas risadas.
O Lula, necessitado de apoio e certo grau de governabilidade, sabedor do gosto por homenagens do atual presidente da câmara dos deputados, resolveu condecorá-lo com o maior prêmio dado por um estadista brasileiro, a Ordem do Cruzeiro do Sul. Pois o Barba foi e deu mesmo, sem dó. E até conseguiu a simpatia necessária, por algumas horas.
Pouco tempo depois a revista Veja, este ícone da imprensa nacional, publicava as ligações do Severinin com uma comprovada falcatrua, um ordenado por fora de cerca de R$ 10.000,00. Um restaurante, umas autorizações de funcionamento, coisas assim…
E lá vem a oposição, em seu sempre firme propósito de estabilizar, muito bem ensinados por longos anos pelos atuais donos da situação, com retóricas, protestos, com inflamadas declarações de indignação pela postura do ocupante do terceiro mais importante cargo da república nacional. Vêm babando, na busca eterna da transparência, da decência política, da ética nos cargos públicos, clamar pela destituição do senhor que, se não me falha a memória, há sete meses atrás, eles mesmos, aproveitando-se da indecisão da bancada governista, colocaram lá, creio eu, sabendo pelo menos que a plataforma da figura era de aumentar os seus módicos vencimentos mensais. Conseguiu um bom aumento da verba de gabinete, porque assim não seria tão escandaloso frente à opinião pública (entenda-se opinião da Veja). Mas, entre nós, à boca pequena, creio que ele, com aquela postura tosca e alegórica, saiba muita coisa dos bastidores de governistas e oposicionistas, que o deixará lá mesmo, penteado e alimentado, até o final de seu merecido mandato.
E, mudando-se da TV Senado para a TV Câmara, vemos as CPI´s, em poder de depoimentos de presos e futuros presos, em troca de reduções em suas respectivas penas criminais, atirando para todos os lados. Tudo isso, lógico, bem temperado a discursos de oposicionistas que dizem que o Presidente não gosta de trabalhar. Eles sim é que gostam, eles sim é que melhoraram a transparência e honestidade em todos estes anos anteriores aos odiados petistas. CPI´s presididas por figuras como membros da família Izar, futruqueiros profissionais da cidade de São Paulo, o neto do ACM, pagando para aparecer em cada canal de TV disposto a ouvi-lo carregar o fardo honesto e digno de sua família, seu ilibado avô, e morto pai (às vezes Deus existe), Senhor Goldman, tão trabalhador e devotado, que descobrimos agora que está na vida pública há trinta anos… Isso sim é que é trabalhar de verdade…
Conclusões não tiraremos. Estamos todos atordoados. Falo em nome daqueles que acreditaram durante tanto tempo em alguma coisa, que carregaram em tintas no rosto, a indignação por governos medíocres, e que se enganou em pensar que só um presidente resolvesse as coisas. E que esqueceu-se de colocar um deputado federal, ou um senador que pudesse auxiliá-lo em sua intenção, que a nós, durante tanto tempo, convenceu e bem…
Pois a campanha em busca daqueles cargos fedidos já começou, creio eu que nunca terminou, muito bem orquestrada pela floresta de lobos que nos rege há tantos séculos, que só mudou de roupas, só passou um perfume nada barato, só remendou alguns fundilhos rasgados, e voltou com porte de cordeiro manso, em busca do bem da nação, da erradicação das desigualdades sociais, da violência, nem tanto criminal nas ruas, mas contra nossa índole, contra nosso patrimônio honestamente ganho, contra nossas famílias honestas, que, sabemos agora, jamais deixarão de ser cutucadas, saqueadas, usurpadas.
E se perguntarem, não só a mim, mas à grande maioria de habitantes honestos e cumpridores de suas obrigações, se tenho esperanças, direi que sim. Tenho esperança em mim, nos meus, na boa educação que darei ao meu filho, no bom exemplo que poderei dar a outros, de que ser honesto não me garantirá nada, a não ser um sono tranqüilo, e poucas visitas de fiscais corruptos. Porque o correto seria mudar os ocupantes desses cargos, mas, para isso, teríamos que sair nós, eu, vocês, a pleitear uma vaga por lá, mas, pelo simples fato de não termos aptidão para trabalhar sem honestidade, não temos capacidade para fechar os olhos a sujeiras, e nos contentamos apenas com nossos miseráveis salários para realizar uma ínfima parte do que sabemos ser merecedores…
Como bem disse o amigo Ibbas, melhor que se acabasse tudo, só sobrassem eles, e as meretrizes, no papel de reproduzirem a raça pura, a legião do novo mundo, já com o sangue totalmente voltado a esse meio indecente.
Minha resposta será o silêncio, quando do cumprimento de minha obrigação cívica, que só o farei exatamente por ser dever, não direito, como eles insistem em tentar nos fazer engolir. E espero firmemente que este ato seja acompanhado, pois só assim para perceberem que do jeito que está não nos agrada, menos que isso, nos enoja…

Hiena Brasileira da Silva