Pós-modernidade

Ordem, ordem, ordem. Disciplina, disciplina, disciplina.

Ordem, ordem, ordem. Disciplina, disciplina, disciplina. Amor de menos, sentir de menos, viver de menos. Gira a máquina, frenética e inflexivelmente, e o homem (alguns poucos, aqueles que ainda ousam sentir, nesse admirável mundo novo), pode apenas observar-se devorado, lentamente, com hora marcada, enquanto aguarda na fila.