A mil por hora

“Paiêee! Se cigarro faz mal, por quê tem gente que fabrica ele?"

Tudo bem, vá preparando seu discurso para explicar ao menino a origem da ganância humana, as forças de Yng-Yang, a maçã de Adão e Eva, o capitalismo selvagem, e daí por diante. Tire um tempinho também para

“Paiêee! Se cigarro faz mal, por quê tem gente que fabrica ele?"

Tudo bem, vá preparando seu discurso para explicar ao menino a origem da ganância humana, as forças de Yng-Yang, a maçã de Adão e Eva, o capitalismo selvagem, e daí por diante. Tire um tempinho também para rever todas as estorinhas infantis, da Branca de Neve ao Lobo Mau e os desenhos animados, de Popeye com seu verdinho poderoso à Caverna do Dragão (tem um repertório imenso no Mundo HQ ). Mas lá no fundo, bem no fundinho, acabará também com uma interrogação, um por quê em cima do porque. Ah, “se nosso cérebro fosse tão simples a ponto de podermos entendê-lo, seríamos tão tolos que continuaríamos sem decifrá-lo.” (quem me relembrou essa foi Jostein Gaarder no livro “O Dia do Curinga”, que tem um enredo bem legal e certamente não precisava das inúmeras frases de efeito sem as devidas referências, como essa daí que eu usei).

"Por quê? Por quê?" Por quê carros tão velozes quando a máxima permitida é 80, 110, quando muito 120 Km/h? (Ângela Duebbers me informa que na Alemanha a 4ª pista é para sentar o pé!!!). Há cerca de 1 ou 2 anos, aquela mulher que processou uma empresa de cigarros acabou ganhando uma nota preta, cor dos seus pulmões após anos de tabagismo e um resultado mais do que esperado nos laudos médicos. Ei! Século XXI, ela não sabia? O Pedro Volkmann me diz com razão que “as pessoas resolvem suas necessidades de forma imediata e ganham problemas mediatos”. Problemas, problemas, problemas. “Se problemas valessem dinheiro, eu seria um milionário” (cantou Nasi com seus Irmãos do Blues, recomendo).

Então, quando termina a ilusão do homem Malboro (falecido ironicamente por câncer de pulmão), e você não está feliz na garupa do seu cavalo, ou quando acontece aquele horroroso acidente de carro que só na sua cabeça aconteceria somente com os outros, não é a Souza Cruz, a GM, a FIAT, a Ford ou etc., que pagam a consulta, a hospitalização ou até mesmo o cemitério (gulp!). Ah, nem sequer a Brahma, a Antártica, a Kaiser ou similares se habilitam. Foi você quem levantou aqueles copos, riscou aqueles fósforos, pisou mais fundo, muito fundo. Fundo demais para dar tempo de voltar, camarada (aquela tecla do Word faz uma falta na vida da gente…). E nem vem que não tem, você também sabia.

Pois saber é importante, mas de fato não é tudo. De um lado, a mídia nos entope com as cenas de novelas e filmes “on the rocks”, fumaças de nicotina e látex queimando em empolgantes arrancadas (audiências que só perdem, quem sabe, para o Ratinho, Gugu, Faustão e correlatos com a surreal exposição da dramaticidade humana). Do outro, campanhas informativas (algumas de excelente qualidade) tentam criar cidadãos cada vez mais politicamente corretos num país de incorretos políticos a mostrar como não se faz. E é inequívoco que também o exemplo educa e constrói.

"Sim, mas por quê? Por quê?" Se a perguntinha já passou de curiosa e querida a irritante e cretina, é uma pena, mas você não vai querer dar uma lidinha rápida no agradável texto de um vovô, intitulado “Um papel que adoro desempenhar”, extraído da Reader´s Digest e publicado no Portal da Família . Só espero (muito, muito) que a essas alturas você não esteja dando uma profunda tragada em seu cigarro com nome de liberdade, dando um gole esperto no uísque de quem “dá um duro” ou pedindo que a criança aguarde o intervalo de “Mais Velozes e Furiosos” para responder. Melhor nem tentar, ou abanar a cabeça dizendo: “essas crianças, me saem com cada uma…”