Egoísta!

Sábado, o sol abaixo do horizonte,

Pairava anseio no ar.

Era iminente e previsível o ato tão esperado,

A consumação do desejo aflorado. Sábado, o sol abaixo do horizonte,

Pairava anseio no ar.

Era iminente e previsível o ato tão esperado,

A consumação do desejo aflorado.

A carne saciada.

Ao passo que buscamos incessantemente satisfazer nossos caprichos,

progride na mesma proporção a sucessão de vidas peculiares.

Nos tornamos egoístas, dentro de um pequeno universo de fantasias,

onde sempre buscamos o papel principal.

Sinto-me agora como um barco sem leme nem bússola,

que é levado ao gosto do vento.

Acredito numa viagem fantástica, mas sei que hei de naufragar.

Encontrei o tesouro perdido, não sei se posso empunhar.