Simplicíssimo

Edição 334 (02/07/2009) – Soçobraram moscas

Naufragando nos oceanos dos sentidos, chegamos até aqui com overdose. Overdose de analgésicos opióides, overdose de informação, overdose de desilusão, de gorduras, sal e açúcar e até com a Priscila Magalhães estreando sua coluna "Over-Dose".

Mas será que esta overdose não existe porque temos uma carência, um buraco, um lapso, um espaço, um vazio, uma incompletude? Será este excesso o sintoma de uma falta de amor, silêncio, sentido, fibras, exercícios e reflexão?

A semana começou ontem mas é somente amanhã que domamos os cavalos que já são esqueletos, carbonos-14 reminiscentes de um mundo que já foi e hoje, impecável aço inoxidável, em inolvidável semelhança com a matriz do que complexamente assumimos como vida, torna intangível ao filósofo – mas não ao poeta – o delírio da existência.

Aos meus amigos, que não soçobrem. Só sobrem.

Rafael Reinehr

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!

Últimos Posts