Simplicíssimo

Disforme

    Anoiteço para banhar-me em reflexos das sombras. Cai a essência da flor leve no chão, o jarro presta-se ao equilíbrio de um desenho chinês, o sol deposita sua claridade ondulante na cortina no quarto. Sei que se fará noite pelo oval da voz ressurgindo circunscrita em meu medo mais intrínseco. Flutua pela vida o risco de viver. Aceito como quem aceita delicadamente o corte que fará escorrer sangue. Aceito, atravesso o destino do rio, mas perco as mãos de quem esperava, retorno vazia, por um risco, uma ferida e um sopro de orvalho incolor. Em corpo de terra deixo-me como meu pai, na distância, ausente, emitindo sinais de algas às madeiras silenciosas, aos papéis e aos livros, enquanto os cabelos das filhas cresciam predispostos a raízes. Espero prestes a ostras um pensamento de atalhos a alma para o púrpuro da noite percorrer as passagens subterrâneas das vozes liquefeitas derramadas em torno de sombras. Essas que nos vem em acordes de dádivas.

... Carol ...

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!