Crítica da morbidade social

Tenho visto , ouvido e meu ouvido não cicatriza em nenhum momento , a
respeito de políticas sustentáveis para a sociedade e a manutenção da mesma. O começo é sempre o mesmo , vamos \"acabar\" com as desigualdades sociais e as diferenças . Inicia-se um programa que é mais uma propaganda ideológica , ou até mesmo promocional e a meta é levar a sociedade a se manifestar contra ou a favor. Mas das duas formas há uma certa conotação de hipocrisia e alienação sistemática. A preocupação é com o programa ou a proposta e não a de como vamos concluir . Por que será? por que governos , instituições e empresas privadas ou públicas tem interesse em se auto-proclamar defensores de alguma idéia nesta área de atenção e depois tudo vira a mesmice. A resposta , bom ela é vaga , mas vale a pena do escritor para descrever algo sobre este assunto. As diferenças e as desigualdades são fruto do próprio ser humano que pensa e formula teses , estas devem ser trabalhadas e não descartadas , em nenhuma nação do mundo existe uma busca concreta de acabar com esta problemática , mas de amenizar e entender o subjetivismo que cada individuo tem em sua consciência , pois , não existe uma única concsiência ou ideologia , visão de mundo complexa e correta. Ao olharmos para a construção de um modelo de sociedade , verificamos que os Gregos se quer conheceram a democracia , mas tentaram chegar ao denominador comum , ou meio mais simples de viver em sociedade , regidas determinadas leis que amenizariam distúrbios sociais . Percebemos ao não só olharmos para o nosso umbigocentrismo , que ao conhecermos a fundo as questões que envolvem o convívio entre nós seres humanos , a vida se torna aceitável e muitos problemas são solucionados , não é chegando a uma determinada hegemonia , tanto faz ser de classe , como politico-partidária , pois segundo Foulcault , nas relações de poder nada muda a não ser que o está exercendo . Apesar deste meu pessimismo , o exemplo do governo LULA , pode vir a dar um sustento ao que disse a pouco , trabalhando com diferentes esferas de pensamento político e representantes de várias camadas sociais . Mas em relação ao poder isto sim é uma questão delicada. Guerras , conflitos disputas de todas as formas , não só o \"poder\" de comando , como o \"poder ter\" , na área econômica , como por exemplo a era Collor , quando neste periodo houve o problema das poupanças . O povo perdeu parte do que lhe pertencia e a situação ficou insustentável para o Governo da época . Errado seria o governo se cortasse o salário ou aumentasse impostos , mas o confisco da poupança , não estou defendendo Collor, dentro de uma nação que vive nas barbas do Estado , seria mais do que normal unir toda a esfera num mesmo salvamento e este era a crise econômica por que passava o País. Mas o \"poder ter\" falou mais alto , o capitalismo exarcebado dominou o senso popular e outros que queriam o \"poder de comando\" se uniram a população para sustentar suas convicções , POIS NA TRISTE DISPUTA DE PODER, A ÚNICA INTENÇÃO É TER PODER. Então seria mais fácil conviver com as desigualdades , não aceitá-las , nem aumentar pricipalmente na área de saúde e educação , mas entendê-las e fazer a sociedade refletir , \"QUAL MEU VERDADEIRO PAPEL
COMO SER HUMANO \" e deixar de uma vez por todos o pensamento primitivo e anti-evolucionista que nos ronda até hoje . \"SOCIALIZAR A POBREZA E PRIVATIZAR A GANÂNCIA É A INTENÇÃO DE QUEM TEM ESTE TAL PODER\" .

*Militante de esquerda pelo PCB, poeta, estudante de história e funcionário
do GHC (Grupo Hospitalar Conceição) há 13 anos