Eric Fróid

No início tudo parecia mais uma tese de um jovem talentoso recém-formado e então desacreditado e semi-desempregado. Mas Eric Fróid tinha idéias fervilhando pelas suas vastas ramas neuronais. Também não era de dar muita atenção às desmotivadoras opiniões alheias, o que talvez explicasse sua persistência. E foi assim que chegou até sua mais admirado projeto: o alimento em cápsulas. Consistente, vitaminado, saudavelmente balanceado nas fibras, proteínas e tudo mais, demorou muito

No início tudo parecia mais uma tese de um jovem talentoso recém-formado e então desacreditado e semi-desempregado. Mas Eric Fróid tinha idéias fervilhando pelas suas vastas ramas neuronais. Também não era de dar muita atenção às desmotivadoras opiniões alheias, o que talvez explicasse sua persistência. E foi assim que chegou até sua mais admirado projeto: o alimento em cápsulas. Consistente, vitaminado, saudavelmente balanceado nas fibras, proteínas e tudo mais, demorou muito pouco para ser comprado pelas grandes multinacionais do ramo alimentício e então fabricados em grande escala. Não havia hipermercado ou quitanda que não tivesse trocado suas prateleiras atrolhadas pelas pílulas saborosas de Eric Fróid, muito embora os rótulos não contivesse seu nome. A onda consumista resolvia o problema do mundo capitalista e criava tempo para os mais apressados incorporarem novas tarefas em suas vidas. Aos poucos os pratos foram ficando supérfluos e desaparecendo das mesas dos mais variados restaurantes, o que gerou algum desconforto na indústria de máquinas de lavar louça. Já as serviçais tiveram suas funções ajustadas e passaram a trabalhar até mais, como sempre acontece nesses casos.

Mas sem dúvida alguma o problema maior foi com a indústria de medicamentos. Havia quem entrasse na farmácia achando que era o mercado e vice-versa e os gordinhos, os compulsivos e mesmo os desatentos passaram a apresentar sinais de intoxicação medicamentosas quando trocavam os tabletes da cozinha pelos da farmacinha. Os pediatras não cansavam de dar conselhos aos pais e ficavam de cabelo em pé com os casos que atendiam com freqüência. Boche® e Rayer® moveram ações contra o alimento encapsulado, mas os juízes estavam a tal ponto seduzidos pela novidade que indeferiam de imediato qualquer referência contrária ao produto. “A se os processos também fossem em pílulas”, pensavam enquanto folhavam laudas amareladas pelo tempo em que o processo estava tramitando sem definições, entre uma pílula alimentícia e outra que traziam sempre em seus bolsos.

E assim como as empresas de antivírus fazem hoje com esses espertinhos que criam problemas em nossos computadores, Boche® e Rayer® contrataram ninguém menos do que Eric Fróid para resolver o impasse. Não havia como ter tomado atitude mais certeira. Recluso ao seu gabinete por semanas, trabalhou com a luz do sol dia e noite graças aos seus inventos no campo da energia e entupindo-se com suas pílulas. Cultivou arduamente suas olheiras e quase explodiu de felicidade com seus promissores resultados, tirando da cama os donos dos laboratórios numa reunião emergencial para a revelação surpreendente à mesa de jantar (e agora de negócios):

“A solução para o nosso problema …” – enfatizou aos seus atentos patrocinadores – “acaba de ser criada …”. A batida da seqüência de duas palmas, era o sinal para Walter Fredo, o garçom, entrar com sua bandeja e servir um suculento prato à mesa. O sorriso no rosto de Eric Fróid parecia uma pintura de tão imóvel que se apresentava, enquanto os chefões aguardavam curiosos pela tão esperada solução. O silencia foi ficando constrangedor, menos para o cientista, que mantinha-se com a mesma máscara risonha. Depois de gastar alguma mínima energia pensando em como tais criaturas chegaram ao topo de suas empresas, foi explicando o óbvio. “A resposta para a comida que virou remédio, senhores, nada mais é do que o remédio que virou comida!”.

As farmácias ganharam mesas, pratos e máquinas de lavar (para alegria da Erastemp® e da Bletrolux®), os médicos saudaram a redução na prática da auto-medicação demonstrada pelas pesquisas publicadas nas principais revistas científicas, bem como a alta na taxa de aderência aos tratamentos. Pacientes lanchavam seus tratamentos de 6 em 6, 8 em 8, 12 em 12 horas ou como fosse prescrito pelo seu médico. Os remédios tinham cheiro e sabor jamais vistos antes e o faturamento da suas multinacionais triplicou. Ah sim, Eric Fróid, como todo cientista famoso, foi reconhecido muito tempo depois de sua morte, resultado de uma intoxicação medicamentosa quando se enganou em suas invenções e exagerou num calmante de quindim.