Simplicíssimo

A máquina de escrever

Lembro perfeitamente: era uma Olivetti, portátil. Azulzinha. Herdara de minha mãe, a qual, por sua vez, herdara de meu avô. Lembro perfeitamente daquela máquina de escrever, em especial pela letra “l”, que sempre falhava – tínhamos que sempre voltar o rolo e bater duas vezes na tecla para que a letra aparecesse. E recordo principalmente que foi naquela máquina que tudo começou.

Foi naquela máquina, velhinha, a pintura azul já cedendo lugar à ferrugem, que escrevi a minha primeira tentativa de romance (melhor dizendo, uma novela). Digo acertadamente “tentativa”, pois a verdade é que meu primeiro livro – orgulhosamente intitulado “Ninho de Vespas” (suspense policial?) – jamais veio à luz. Tinha então quinze anos e sentia-me o gênio das letras; um talento nato que somente esperava o momento de despontar. E, catando milho na velha Olivetti, escrevi cinqüenta páginas daquilo que – entendia! – ser uma mistura de assassinato, sexo e política, ligando os parlamentares em Brasília aos membros do Cartel de Cáli, a temida Máfia Colombiana. Enfim, delírios juvenis (seriam?), mas que para mim, naquele momento, revolucionariam a Literatura mundial.

Não revolucionaram. Desapontei-me por um momento, mas não desisti. E continuei catando milho na minha velha Olivetti.

Até que, muitos rascunhos depois, numa tarde de Janeiro de 2001, a máquina parou de funcionar.

Triste, olhei para suas teclas estáticas, mas logo entendi. A morte (não tão súbita) da máquina era o sinal. E, naquela mesma tarde, comprei um computador.

Hoje, passados sete anos, cato milho em um notebook.

Se já publiquei meu “Ninho de Vespas”? Claro que não. Mas já comecei a escrever um novo livro: uma mistura de assassinato, sexo e política, ligando os parlamentares em Brasília aos membros do Cartel de Cáli…

Edweine Loureiro

Últimos posts

Follow us

Don't be shy, get in touch. We love meeting interesting people and making new friends.

Most popular

Most discussed