Simplicíssimo

É Natal

              Com fome,
              Jesus, o homem,
              caminha sem rumo.

              Ninguém lhe abre a porta.
              Ninguém lhe sorri
              um feliz natal.

              Não longe dali,
              um Jesus menino
              chora, sozinho,
              pelo destino
              de Jesus, o homem,
              que caminha,
              com fome,
              sem saber aonde ir…

Nota: O poema acima foi um dos selecionados no Concurso “Poetas em Desassossego”, em Portugal, no ano de 2009.
 

Edweine Loureiro

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!

Últimos Posts