Simplicíssimo

Lembrança de deletar

A Álvares de Azevedo

 

Quando do mouse desprender-se o fio,
que liga o computador à mente,
será o fim de meus delírios
neste mundo de doentes.

 

E se uma lágrima as pálpebras me inunda,
se uma luz na tela insiste ainda,
é pela amiga virtual… a quem nunca
um vírus destruiu a face linda.

 

Registrem, pois, meus feitos literários
nos sites, entre muitos, esquecidos;
e a página do orkut, escrevam nela:
– Teve um blogue – apagou – e perdeu a vida.

Edweine Loureiro

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!