Simplicíssimo

Conversa de fim-de-semana

Sabemos da vida tanto quanto sabemos da morte. Não nos ensinaram nas escolas sobre dores, falências, desenganos, saudade e desencontros. Somos um bando de despreparados para o enfrentamento dos labirintos da vida. O resultado é que ao adentrarmos na sociedade pós-moderna nos confrontamos diariamente com o predomínio de inúmeros valores fúteis. As pessoas passaram a valer por aquilo que representam, e não por aquilo que são. Se alguém chegar à sua casa de ônibus, vale X. Se chegar num Mercedes Benz, valerá Y. Shoppings Centers substituíram as Catedrais. Hoje são os templos do consumo que dão status. Dos 170 milhões de brasileiros apenas 20% podem freqüentá-los. Quem não dispõe de grana nada compra e logo se vê no inferno. Aqueles que desfrutam de cartões de crédito, ou de cheques especiais, mesmo ficando endividados fazem suas compras e se sentem no purgatório. Aqueles poucos que compram à vista são os escolhidos… E a TV? É outro horror! Aquele que assiste à televisão durante a semana inteira, ao final estará apto a se tornar um imbecil. Aos domingos então o processo de imbecilização é mais visível. São imbecis os que comandam os programas, as platéias e nós telespectadores. Tudo isso é pensado visando manipular o nosso eu. Esse esquema maquiavélico tem por finalidade reduzir a nossa capacidade de discernir. Desse modo seremos presas fáceis nas mãos desses energúmenos.
Até quando fecharemos os olhos para essa cruel inversão de valores? Até que ponto esses desajustes, da chamada era neo-liberal, irão influenciar o nosso bom humor? Seria isso mesmo viver feliz? Não deixemos que as grifes façam de nós pessoas importantes. Sejamos importantes pelas nossas realizações, sejam elas pessoais ou profissionais. Façamos de nossas TVs simples objetos de decoração. Precisamos refletir sobre esse processo de pasteurização a que todos nós fomos submetidos. Enquanto não nos impedirem de pensar de vez, seremos então capazes de transformar os nossos próprios destinos.
 Por Luiz Maia
Sabemos da vida tanto quanto sabemos da morte. Não nos ensinaram nas escolas sobre dores, falências, desenganos, saudade e desencontros. Somos um bando de despreparados para o enfrentamento dos labirintos da vida. O resultado é que ao adentrarmos na sociedade pós-moderna nos confrontamos diariamente com o predomínio de inúmeros valores fúteis. As pessoas passaram a valer por aquilo que representam, e não por aquilo que são. Se alguém chegar à sua casa de ônibus, vale X. Se chegar num Mercedes Benz, valerá Y. Shoppings Centers substituíram as Catedrais. Hoje são os templos do consumo que dão status. Dos 170 milhões de brasileiros apenas 20% podem freqüentá-los. Quem não dispõe de grana nada compra e logo se vê no inferno. Aqueles que desfrutam de cartões de crédito, ou de cheques especiais, mesmo ficando endividados fazem suas compras e se sentem no purgatório. Aqueles poucos que compram à vista são os escolhidos… E a TV? É outro horror! Aquele que assiste à televisão durante a semana inteira, ao final estará apto a se tornar um imbecil. Aos domingos então o processo de imbecilização é mais visível. São imbecis os que comandam os programas, as platéias e nós telespectadores. Tudo isso é pensado visando manipular o nosso eu. Esse esquema maquiavélico tem por finalidade reduzir a nossa capacidade de discernir. Desse modo seremos presas fáceis nas mãos desses energúmenos.
Até quando fecharemos os olhos para essa cruel inversão de valores? Até que ponto esses desajustes, da chamada era neo-liberal, irão influenciar o nosso bom humor? Seria isso mesmo viver feliz? Não deixemos que as grifes façam de nós pessoas importantes. Sejamos importantes pelas nossas realizações, sejam elas pessoais ou profissionais. Façamos de nossas TVs simples objetos de decoração. Precisamos refletir sobre esse processo de pasteurização a que todos nós fomos submetidos. Enquanto não nos impedirem de pensar de vez, seremos então capazes de transformar os nossos próprios destinos.

Luiz Maia

Últimos posts

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!