Simplicíssimo

Brasil: cada dia mais inefável

“Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José !
José, pra onde?”
 
Carlos Drummond de Andrade
 
E agora Brasil? Pra onde você caminha? Quem és tu? Quem organiza-te? Que te preside? Quem te governa?
 
Creio que o Brasil nunca esteve tão “José” como hoje. Essa última semana evidenciou tamanha confusão no cenário nacional, que resta a nós, povo brasileiro, nos questionarmos qual o nosso papel na sociedade. Ou ainda, que sociedade é essa que formamos.
 
A estrutura governamental brasileira, seguindo a inspiração de Montesquieu, é a dos 3 poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário. Cada poder tem a sua função e se inter-relacionam, contudo mantendo sempre a independência de cada um. O legislativo formula leis, o executivo as colocam em ação e o judiciário fiscaliza o cumprimento de cada qual perante sua determinada função.
 
Entretanto, essa semana o Judiciário ampliou a lei da união estável para os homossexuais. Sem entrarmos nos méritos morais da causa, o judiciário realizou uma função que é do legislativo. Isto é, infringiu a tripartição do poder. 
 
Enquanto isso, a maioria dos casos de desvio de conduta dos governantes é fiscalizada e julgada por eles próprios na câmara dos deputados e no senado. Por isso, as coisas sempre acabam em PIZZA no Brasil, pois esta é a função do JUDICIÁRIO.
 
Outra questão, essa semana o Código Florestal não foi votado no legislativo, porque iria ser aprovado um artigo que atrapalha os interesses do EXECUTIVO, de modo que o partido dos Trabalhadores, para evitar prejudicar sua presidenta politicamente, interferiu na votação. Quando o PT percebeu que a própria base aliada aprovaria do Código, eles se negaram a votar. O que aconteceu, a votação foi invalidada por falta de quórum, mesmo estando todos presentes. 
E ninguém faz nada contra esse absurdo. 
Por que???? Porque o Judiciário que deveria fiscalizar está criando leis que não são de sua alçada.
 
Para terminar bem a semana, vi na noite da última sexta-feira, uma reportagem mostrando que os livros didáticos no Brasil, flexibilizaram o uso do Português, no próprio livro, ensina que falar: “Os livro”, está correto. A autora do livro defende o modo “popular” com que se fala. Esse livro será usado nas escolas públicas do Brasil com o aval do MEC. E ainda mais, quem corrigir uma pessoa que não sabe falar a língua culta, está cometendo PRECONCEITO LINGUISTICO. Se o Judiciário ver isso, vai criar uma lei para punir tamanha ofensa.
 
Para me adequar as novas leis gramaticais divulgadas pelo MEC, não farei uma revisão deste texto para publicá-lo. Se tiver erros, não os aponte, nem os corrija. Pois você está cometendo um PRECONCEITO LINGUISTICO para comigo e posso lhe processar.
 
O que dizer perante tudo isso?
 
Não sei. Se alguém souber, me diga.
O Brasil é cada dia mais inefável.
 

 

Hans Henrique da Silva Pereira

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!