Simplicíssimo

História Particular do I-Racional

O I-Racional nasceu antes do simplicíssimo. Com ele, comecei a colocar alguns pensamentos em arquivos Word e outros meios. Será os pensamentos são racionais, ou serão tão irracionais como nós mesmos? Segue a história de como surgiu a coluna e dois convites…

Pseudomístico – a ciência do cotidiano 11/x

Representando o mundo por fractais temos a sensação da perfeição.

Violentos Haikais – série II / 11 x

Sanções contra a vida – Ira (Irã)*
Crimes contra a Criméia
a solução sempre é na bala, se vira

História Particular do I-Racional

Por volta dos anos 2000, eu comecei um projeto que me levou para a vida acadêmica por uma via bastante estranha. Por um projeto falacioso da própria academia, pensei que estaria criando um mestrado. A ideia posta era de que as pessoas que ajudassem na construção do mestrado poderiam fazê-lo sem passar por avaliações para entrar.

Na época eu estava estudando muito múltiplas inteligências, inteligência emocional, porém sentia que estava me faltando um norte, porque sou muito curioso e acabava me interessando por qualquer assunto que aparecesse.

Como conhecer sempre tem várias ligações externas e vários excertos necessários para a compreensão da disciplina em si, acaba sendo mais ou menos uma busca na Internet onde eu acabava clicando em todos os links oferecidos em todos os sites que eu acessava.

Faltava entender como ficar em um tema específico. Eu estudava com muitas perguntas na cabeça, sem ter uma sequência lógica (sistematizada) para que os outros acompanhassem meu raciocínio. Quem me conhece sabe o quanto é difícil entender quando eu falo em códigos em um texto repleto de referências que precisa ser lido, muitas vezes, na extensão de significantes de cada palavra. Às vezes de forma proposital, muitas vezes sem querer, tentando organizar mentalmente uma linha de raciocínio plausível.

Assim como “Deus está morto” do Nietzsche é uma “pegadinha”, guardadas as proporções eu prefiro usar frases como as dele, cheias de significados ocultos para parcos. De qualquer forma, também sou irônico, sarcástico e sincericida.

Durante a minha tenra infância minha mãe costumava ler para que eu ficasse quieto, só que acabaram as histórias infantis, as infanto-juvenis e os contos da extensa biblioteca do meu avô. Nelson França Furtado**. Então minha mãe começou a ler outros livros para mim, todos da biblioteca do meu avô, de dicionários (incluindo os bilingues) a livros de física. Desta forma, meio sem querer, criou um ser cheio de conexões neurais (e contradições).

Voltando ao tema do texto, quando eu estava montando o dito mestrado que nunca vingou, fui convidado por alguns estudantes a escrever um texto em um jornal que se iniciava e o texto versava de forma lúdica a “racionalidade limitada” de Herbert Simon e aos limites do iluminismo da Escola de Frankfurt, então fiz um texto justamente mostrando isto, será que somos racionais? Acredito não ser mais uma questão em pauta, mas na época e, óbvio, nos dias de hoje, tem muita gente que acha que é possível ser racional. De lá para cá são mais de 500 textos com esta temática.

Este texto não é um abandono desta linha de pensamento, mas um convite aos leitores:

  1. a partir da próxima quarta, começo mais uma coluna, leve e divertida, com uma pitada (ou mais) de cotidiano. Vai se chamar Muitas Best Eiras Levi´s (MBL)***. Claro, continuo a publicar o I-Racional (já que me incluo nos sem racionalidade).
  • Fica a dica: quem ler e tiver dúvidas sobre os textos, por favor me contate. Tenho imenso prazer em explicar como cheguei as estas conclusões, sempre parciais, mutáveis e (quase) conformes a ética vigente.

A foto é de Anita Jankovic baixada do site Unsplash.

* as sanções impostas ao Irã pelos Estados Unidos impactaram muito negativamente o povo Iraniano e não os poderosos que comandam os destinos do Petróleo e do Urânio.

** Professor de física na PUC-RS, velejador, autor de dicionário Português – Tupi, entre outras muitas façanhas.

*** para ler este título: Muitas Besteiras, Best (ótimo), Eiras (detalhe de construção no nordeste Brasileiro presente na expressão nem Eira nem Beira (eira era mais comum…), levi (o profeta), levi´s (a loja), MBL (Movimento Brasil Livre)… Fique a vontade para criar conexões entre as palavras…

Pedro Armando Furtado Volkmann

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!