Simplicíssimo

Velho morador

Principiava a noite. Por aquela rua deserta, um jovem casal passeava sem rumo certo. De repente, começou a chover e os dois entraram correndo num casarão, aparentemente abandonado.

Bem abrigados da chuva, pouco demoraram a descobrir que não estavam a sós…

“Desculpa, tiozinho. A gente pensou que não morava ninguém aqui”, disse o rapaz, diante do possível morador – um velho de cabelos grisalhos que, saído do cômodo vizinho, veio juntar-se a eles. “Fiquem à vontade, meus filhos”, respondeu o outro, educadamente. “Façam de conta que a casa é sua.”

Desconfiada, a jovem estranhou o fato de alguém morar num local como aquele: os móveis todos arruinados; pelos cantos das paredes, espessas teias de aranha e, pelo chão, lixo e mais lixo. De fato, era estranho, muito estranho… “Há quanto tempo o senhor mora aqui?”, perguntou.

Como resposta, o simpático residente rebateu com outra pergunta: “Depende. A moça quer saber desde quando?”

Igual a ela, o rapaz também não entendeu o que o ancião quis dizer com essas palavras: “Desde quando… Como assim?”

Ao que o velho respondeu com a maior naturalidade: “Ora, em vida eu morei aqui uns trinta anos…”

Wilson Gorj

Últimos posts

Follow us

Don't be shy, get in touch. We love meeting interesting people and making new friends.

Most popular

Most discussed