Simplicíssimo

Da Origem da Palavra Gaúcho

Nascida do desejo – como de resto todos os filhos, esta coluna alimenta o sonho de aproximar o cerrado do Pampa. Essa missão insana em tempos da ávida rapidez que a Internet nos impõe, hoje leva o leitor a abrir o poço do passado, lembrando-se de José no seu poço em que foi abandonado pelos irmãos, e do alerta de uma autoridade que, séculos depois, ousou abrir o poço para lançar seus olhos germano-brasileiros a mirarem-se no espelho d´água do passado: "é muito fundo o poço do passado…" . Nesse caso, este cronista não ousaria, como Thomas Mann, a prosseguir até o sem fundo do poço.

O direito a um nome – gaúcho, que nos parece absolutamente integrado à fala e à vida cotidiana está envolvido na bruma do passado. Este "gentílico" que hoje se usa com a maior naturalidade e a maior sem-cerimônia – nos estádios de futebo goyanos -, para designar os brasileiros da porção meridional de nosso país, tem lá estórias que valem a História. Abrir este poço poderia ser como disse Augusto Meyer "rasgar à visão interior paisagens retrospectivas, enquadradas na moldura da história".

Se seguirmos o conselho de Carlos Reverbel, lembrado na por Lígia Gomes, "nem valeria a pena gastar pólvora em chimango" e persistir nesta pendenga, e partirmos logo para o esquecimento da palavra, dedicando-nos, sim, a entender a cultura e a história do povo dos pampas, os habitantes do Brasil Meridional. Abandonando toda a sensatez do conselho, entrego-me por uns minutos a se bandear com o peão que dominou o pampa, nos idos do século XVI, quando as manadas de cavalos e éguas que, desembarcados no sul do continente em 1535, dão origem ao mito dos "cavalos de Mendonza" e a uma polêmica sobre as grandes rebanhos que ditam o rito do homem que domina a fronteira sul se habilitou com sua coragem e bravura a ser desde a origem como "gaudério".

 

É Darcy Ribeiro quem nos lembra que a figura do gaúcho traz-nos: "… uma referência constante a elementos que evocam um passado glorioso no qual se forjou sua figura, cuja existência seria marcada pela vida em vastos campos, a presença do cavalo, a fronteira cisplatina, a lealdade, a honra, a virilidade e a bravura do homem ao enfrentar o inimigo ou as forças da natureza. Mas a figura do gaúcho, tal como a conhecemos, sofreu um longo processo de elaboração cultural até ter o atual significado gentílico de habitante do estado."

O gaudério, provável predecessor do vocábulo gaúcho, designa esse homem do pampa que "mora dentro de sua camisa, debaixo de seu chapéu" é o antepassado de gaúcho, que se habilita a ganhar mais de duas dezenas de definições e sinônimos para designar quem, de origem latina, guarda a definição de "um ser de viver errante, de aventura, sem pouso certo". Enfim, um peão que "ama, acima de tudo, a Liberdade".

Mas se seguimos o conselho sábio de Aug "não cabe fazer do vocábulo (gaúcho) a carniça em que a etimologia vem dar sua bicada", nem cabe deixar que a aritmética dos idiotas da objetividade nos leve a mais de 30 prováveis sentidos (Buenaventura Caviglia Hijo ou em João Ribeiro).

Ao contrário, há que se servir da miríade de nomes e origens, beber do poço fundo, escolhendo devanear com o nome gentílico que hoje designa os rio-grandenses, colher o grão maduro da conquista de um território que se não fosse brasileiro seria, para nossa infelicidade futebolística, provavelmente, argentino.

Com essa blague futebolística e de gosto duvidoso, ouçamos assobiar o vento, o Minuano (*), sobre este poço do passado e deixemos o tempo como conselheiro sábio falar em seu lamento poético:

 

"Este vento faz pensar no campo, meus amigos,
Este vento vem de longe, vem do pampa e do céu.
Olá compadre, levanta a poeira em corrupios,
assobia e zune encanado na aba do chapéu.

 

"Curvo, o coração arrepia a grenha fofa,
giram na dança de roda as folas mortas,
chaminés botam fumaça horizontal ao sopro louco
e a vaia fina fura a frincha das portas.
Olá compadre, mais alto mais alto!
(…)
"Este vento macho é um batismo de orgulho:
quando passa lava a cara enfuna o peito,
varre a cidade onde eu nasci sobre a coxilha.
Não sou daqui, sou lá de fora…
Ouço o meu grito gritar na voz do vento:
– Mano poeta, se enganche na minha garupa!

"Ó mano
Minuano
upa upa
na garupa!

"Eu sou o irmão das solidões sem sentido…
Upa upa sobre o pampa e sobre o mar…"

+++++
(*) Fonte: "Poemas de Bilu", de Augusto Meyer (1922).

Adalberto de Queiroz mantém o blog www.zadig.blogger.com.br

Adalberto de Queiroz

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!

Últimos Posts