126 – Pierre Louÿs, Millôr e Glauco Mattoso

O título desta edição de número 126 homenageia uma grande poeta santa-mariense que o mundo ainda não conhece por inteiro. O tempo dará vazão a todo seu potencial. Idiossincrasias é o título de um livro seu, bancado com dinheiro próprio e que demonstra todo vigor daqueles que buscam seu caminho sem olhar para as dificuldades e sim para além dos muros que se põe à frente. Lorena Miranda é seu nome e, poeta que é, faz parte do Grupo de Discussão Literária Cafeína, de Santa Maria-RS.

Pierre Louÿs (1870-1925) escreveu em 1927 um livro entitulado Três Filhas da Mãe, que deixaria o Marquês de Sade ruborizado.

Millôr é um humorista-filósofo ou filósofo-humorista de primeira. Ninguém pode negar. Seu Millôr Definitivo – A Bíblia do Caos é a prova cabal do que acabei de dizer. Mesmo com seus altos e baixos atuais na Veja, ele já prestou seu serviço ao mundo. E continua.

Glauco Mattoso é poeta. Sonetista. Escatológico. Usa este pseudônimo pois é cego. Causa da cegueira: glaucomatose. A Centopéia, Paulisséia Ilhada e Geléia de Rococó devem ser lidos de uma vez só, sem tirar. Num só fôlego. Sem desculpas.

Hoje temos a estréia de mais 3 colunas no Simplicíssimo.

Marcos Pedroso, participante ativo e tenaz do Simplicíssimo nos brinda com sua coluna Liberdade Vigiada, incitando uma reflexão sobre a guerra, guerreiros, opressão e inocentes.

Bernardo WK e Gabriel Silveira trocam opiniões, aspirações à verdade e farpas em Vale-Tudo. A cada semana. a visão de um sensível poeta e de um exímio contista acerca do mundo que os rodeia. Contraposição de idéias, é o tema em Vale-Tudo.

Marko Ajdaric nos impressiona com seu espetacular resumo semanal sobre o que acontece no mundo dos quadrinhos planeta afora, em sua novíssima coluna chamada A Semana dos Quadrinhos – Um resumo mundial. Para os aficcionados, curiosos ou desocupados, uma verdadeira enciclopédia quadrinística!

Cansado de tantas mudanças? Então estás no lugar errado! Quer ainda mais novidades? Que tal terminar de ler esta edição 126 antes? A 127 já está sendo amassada e, antecipo: mais mudanças sairão do forno!

Rafael Luiz Reinehr

PS: no mês de abril o Simplicíssimo registrou um número recorde de visitantes únicos (8412), correspondendo a um total de 111.985 page views. Parabéns a todos que contribuíram e continuam contribuindo para o crescimento, mês após mês, do Simplicíssimo.

A nossa vida é estilhaçaca pelo pormenor

"Vivemos mesquinhamente, quais formigas, ainda que a fábula nos relate que há muito tempo atrás fomos transformados em homens; como os pigmeus lutamos com gruas; e é erro sobre erro, remendo sobre remendo, e a nossa melhor virtude decorre de uma miséria supérflua e evitável. A nossa vida é estilhaçada pelo pormenor.
Um homem honesto dificilmente precisa de contar para além dos seus dez dedos das mãos, acrescentando, em caso extremo, os seus dez dedos dos pés, e o resto que se amontoe. Simplicidade, simplicidade, simplicidade! Digo: ocupai-vos de dois ou três afazeres, e não de cem ou mil; contai meia dúzia em vez de um milhão e tomai nota das receitas e despesas na ponta do polegar. A meio do agitado mar da vida civilizada, tantas são as nuvens, as tempestades, as areias movediças, tantos são os mil e um imprevistos a ser levados em conta, que para não se afundar, para não ir a pique antes de chegar ao porto, um homem tem de ser um grande calculista para lograr êxito.
Simplificar, simplificar, simplificar. Em vez de três refeições por dia, se preciso for, comer apenas uma; em vez de cem pratos, cinco; e reduzir proporcionalmente as outras coisas. A nossa vida é como uma Confederação Germânica, composta de insignificantes Estados e com as fronteiras sempre a flutuar, de modo que nem uma alemão sabe, em dado momento, dizer quais são."

Henry David Thoreau, em "Walden"

citação retirada do Citador