Run Forrest…

 Oh grande amigo do poeta esquecido

 Mostra a tua face clara ao sol

 Meus pés também são de barro

 E minha alma mais uma vez escreve poemas de sangue

 Oh grande amigo do poeta esquecido

 Mostra a tua face clara ao sol

 Meus pés também são de barro

 E minha alma mais uma vez escreve poemas de sangue

 Nem sei mais se quero ser compreendido

 Percebi que lutar é morrer

 O vento que me leve enquanto puder soprar

 Que a lágrima ansiosa por cair é fraca

 E seca ao sinal da menor brisa.