Simplicíssimo

SIMBIOSE

Estavam juntos há muito tempo, desde que eram pouco mais que crianças. Ele, tímido, inseguro, atormentado. Ela, despachada e confiante. Ele era franco e idealista. Ela sempre sorria. Cru, ele levava a vida em teoria. Ela, a despeito de ter a mesma idade, tinha visto coisas demais. Ele se afligia. Ela não parecia se importar. Os olhos dele interrogavam. Os dela, pestanejavam. Eram facetas diferentes do mesmo mundo. Ambos irradiavam a energia imensa e estúpida da adolescência. Ele começaria a viver a partir dali, ela estava cansada. Alguma congruência: eram inteligentes e tristes. E novamente divergiam: ele ostentava, ela dissimulava. A ele tratavam como aberração, a ela como pedaço de carne. Típicos. Conheceram-se dum jeito nada especial, num dia comum. Conversaram, mediram-se, beijaram-se. Ela nada esperava dele. Ele não sabia o que esperar dela. A reputação dela era péssima. Ele procurava desesperadamente algo em que acreditar. Ele quis dar-lhe o mundo. Ela almejou estar à altura dele. Colocou-o no colo. Colocou-a num pedestal. Faria-a feliz. Viveria para ele. Fundiram-se. Não estariam mais solitários e sempre haveria então um motivo. Ela tornou-o vivo, ele fê-la sentir-se limpa. Aprenderam a ver de outros jeitos. Compartilharam lágrimas, risadas e a maioria dos pensamentos. Amaram-se com sofreguidão. Passaram horas e anos entrelaçados. Apoiaram-se e feriram-se. Amigos, eram perfeitos. Amantes, eram medíocres. Houve pequenas traições. Às promessas, às expectativas, à monogamia. Não sabiam viver de outro modo. Quase repulsa e quase adoração. Ele era dependente. Ela ressentia-se desse peso, mas sentia-se responsável por ele  nunca achara que o merecia. Ele parecia tão perdido quanto antes. Sofria, temia perdê-la. Ela faria qualquer coisa para salvá-los. Algo saíra muito errado e cabia a ela consertar. Desprezou o tempo: engoliu em seco as angústias e voltou a adolescer. Riu alto, alegre e leviana, como no começo. Os olhos dele marejaram-se, saudosos. Mas ela não deixaria que ele estragasse tudo de novo. Arrastou-o pra cama e deu-lhe a dose de sujeira que ele sempre precisara, pra entender muita coisa.

Livia Santana

Últimos posts

Follow us

Don't be shy, get in touch. We love meeting interesting people and making new friends.

Most popular

Most discussed