Ser Simplicíssimo

Ser Simplicíssimo é, antes de tudo, amar. Amar o que se escreve, mesmo não amando o que se escreverá sobre o que será escrito. É ligar o computador e não ligar se o mundo vai desabar, ou se ninguém vai ligar. É escrever bobagem séria e seriedade boba. É sentar-se em frente à tela e descobrir que não se tem nada para escrever naquele dia. E ainda assim escrever. Continue lendo “Ser Simplicíssimo”

Preconceito linguístico

Em seu livro “Preconceito Linguístico”, Marcos Bagno aponta, inicialmente, vários mitos disseminados na sociedade sobre o uso da língua portuguesa, segundo os quais o brasileiro não sabe falar direito, “maltrata” o idioma. Define, logo após, um ciclo vicioso no qual estão o ensino tradicional, a gramática tradicional e os livros didáticos; esses elementos fazem com que o processo de letramento, isto é, de aprendizagem dos usos da língua Continue lendo “Preconceito linguístico”

Ilusões perdidas?

Em sua obra-prima “Ilusões Perdidas”, Honoré de Balzac narra a trajetória controversa de Lucien Chardon, um jovem provinciano que, munido apenas de sua inteligência, dirige-se à capital francesa para conquistar riqueza e sucesso. Desde o início, em Angoulême, seu amigo tipógrafo David Séchard, sua mãe e sua irmã confiaram cegamente em seu talento, projetando todos seus desejos no sucesso do rapaz. Ao chegar à cidade-luz,… Continue lendo “Ilusões perdidas?”

Violência no Recife

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, o Brasil é a nação que apresenta a segunda maior taxa de mortalidade por agressão, ficando atrás apenas da Colômbia, que enfrenta uma guerra civil (Almanaque Abril 2003). A cidade do Recife é a capital com maior taxa de homicídios, proporcionalmente: são 90,5 mortes para cada 100 mil habitantes. (O Globo Online, 29/01/2008). Com tantas falhas na segurança pública, o que deve fazer o cidadão?
Continue lendo “Violência no Recife”