Simplicíssimo

Antepasto ao luar

Ao Poeta recifense Manuel Bandeira que, desde 1947, com o poema O BICHO inaugurou a poesia-denúncia e expôs feridas sociais nas quais a maior vítima é o mesmo Animal que perambula nossos pátios, calçadas, pontes e ruas até os dias de hoje… (O BICHO – Estrela da Vida Inteira, papel bíblia, Ed. Nova Aguilar S.A.)
 

Vi um homem, vi um bicho,
um vulto matando a fome
em plena lata de lixo.

Reluzia à luz da lua bem cheia
– brilhando de sebo e suor semi-humano –
alheio a tudo e aos faróis cintilantes
sorvia, ali mesmo, aos punhados,
restos imundos como última ceia.

Não havia cerimônia ou pompa
nem relutância qualquer em comer
tudo o que o emporcalhado latão
tivesse a lhe oferecer.

Em meio a essa não-vida nefasta
de um não-ser invisível, outros
semelhantes a ele, ajuntavam-se
para recolher os sobejos
desse impossível repasto
de bichos, ao anoitecer.

Seres invisíveis à noite
mas no clarão do sol, à luz do dia,
perambulando ruas, pontes, calçadas
e esquinas, em miseráveis romarias?

Quem os visse ou pranteasse não havia.

Sozinha, sob a luz denunciante da lua
cheia eu os vi e os pranteei.

Chorei.
Pura e simplesmente.

Porque os vi homens
e os vi bichos: vultos
ferozes matando a fome
em plena lata de lixo!

Lilly Falcão

Últimos posts

Follow us

Don't be shy, get in touch. We love meeting interesting people and making new friends.

Most popular

Most discussed