Simplicíssimo

Celofane

Sou aquela que acusada de devaneios
Viu esses dois mundos em tons de rosa
[Ah, perdão meu censor, meu carcereiro!] Condenada vivo, hoje, em verso e prosa!

Cordilheiras percorri por tuas jaulas
Em mares profundos varei minha solidão
Perdeste, feitor, das cores muitas aulas
E enegreceste para sempre meu coração!

Que de fora dessa tua inimaginável cela
Te vejo penar em grades e vãos pensamentos
Triste miragem: és apenas a nau, eu a vela
Vagueia a nossa ternura através dos ventos!

Maldigo a pena e a prisão sem qualquer laço
Desdenho dessa liberdade sem contentamento
Eis um belo par de náufragos – ré e carrasco
Em papel fúcsia: sonho de valsa de um momento!

Lilly Falcão

Últimos posts

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!