Simplicíssimo

Celofane

Sou aquela que acusada de devaneios
Viu esses dois mundos em tons de rosa
[Ah, perdão meu censor, meu carcereiro!] Condenada vivo, hoje, em verso e prosa!

Cordilheiras percorri por tuas jaulas
Em mares profundos varei minha solidão
Perdeste, feitor, das cores muitas aulas
E enegreceste para sempre meu coração!

Que de fora dessa tua inimaginável cela
Te vejo penar em grades e vãos pensamentos
Triste miragem: és apenas a nau, eu a vela
Vagueia a nossa ternura através dos ventos!

Maldigo a pena e a prisão sem qualquer laço
Desdenho dessa liberdade sem contentamento
Eis um belo par de náufragos – ré e carrasco
Em papel fúcsia: sonho de valsa de um momento!

Lilly Falcão

Últimos posts

Follow us

Don't be shy, get in touch. We love meeting interesting people and making new friends.

Most popular

Most discussed