Simplicíssimo

Fissura

Não tenho mais tempo

para crises, depressões

e menstruação

para declarações de amor

sussurros

corridas em praças

cheiros, gostos

alianças

 

para brigas, joguinhos, ciúmes

máscaras

compreensão

satisfações

criancices

 

já não interessa o que possa ocorrer

qual personagem assumir

não me importa mais nada

que peguem todo seu amadurecimento fajuto

suas poses de intocáveis

suas certezas

e as dúvidas

e as teorias

e o orgulho

a pequenez

a limitação

as ceninhas

a inveja

a competição

as vidas confortáveis

e enterrem junto com os ossos

 

podem pegar também as montanhas

seus rios e lagos

sua moral

suas tradições

seus amigos acéfalos

seus cães barulhentos

e o povo canhestro

e as vacas e o leite

e a cultura barata

e o aprendizado que nunca tiveram

e os autores que jamais vão entender

 

coloquem junto

a chuva, o queijo

o sotaque risível

e o surto da dengue

 

e seus teatros e museus

suas praças e bares

e as igrejas

e os santos

e o machismo

e a estupidez

e a burguesia inerente

 

e todo o desespero

a histeria

a apelação

o pote de lama

o sorvete e os filmes

os clubes de futebol

e a frieza

e o achismo

 

não tenho mais tempo

para cuidar de bebês

para explicar-me

para levar em casa

e para ser perfeito

 

estou cansado da opinião rasa

das cobranças infundadas

dos surtos

da mesquinhez

da audácia

do provincianismo

 

e podem jogar no abismo todo o estado

porque já não me atrai alimentar carpas

pois a única coisa que quero alimentar é meu ego

e que ele enferruje em paz

engolindo todo o aço que houver

e todos os recursos naturais

quão breve é agora?

Maurício Angelo

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!