Simplicíssimo

A Morte do Escritor

Por que este constante desejo de suicídio? Este fantasma que me assombra noite e dia?… Este demônio que atormenta meu espírito, clamando pelo fim…
Aí, de repente, o desejo de escrever… de pôr este tormento no papel… de registrar essa dor, transmiti-la para outros… transmiti-la através de outros!…
Às vezes, parece que viemos para isso: sofrer… e escrever! – para que outros aliviem os seus próprios sofrimentos…
Será que Virginia Woolf teria escrito Mrs. Dalloway sem esse desejo de acabar com a própria vida? Sem o desejo de acabar com essa vida arrastada… uma vida aprisionada pelo tempo… que nos corrói, que nos consome lentamente?…
… E o que dizer de Sartre, Thompson?…
A morte fê-los criar vidas!…
A morte… a mais fiel companheira do homem… a mais fiel amante de um escritor!…
Quisera eu que, assim como em Sartre, a morte também me fizesse criar textos maravilhosos… obras-primas…
Mas não… Sou estéril até na maior das inspirações…
Páro por aqui…
Desligo o computador…
…e volto a pensar na vida!…
…O escritor morre… (…) mais uma vez!…

NOTA DO AUTOR: “A Morte do Escritor” foi minha ressurreição literária. A obra foi publicada pela Andross Editora na antologia “Literatura Crônica”, em 2006.

Edweine Loureiro

Últimos posts

Follow us

Don't be shy, get in touch. We love meeting interesting people and making new friends.

Most popular

Most discussed