Simplicíssimo

Momentâneos poéticos cotidianos

Sem a menor responsabilidade
Basta afinar a sensibilidade
Eles estão aí todos os dias

Ponteiros parados nas
Prateleiras da relojoaria

Flores murcham aos
Poucos na floricultura

No paredão elevam-se janelas
Umas apagadas e outras não

O Sol surpreende a Força Coletiva
Na metade do caminho
E ao pôr-se não encontra ninguém em casa

Mendigo que acorda e prefere não
Se levantar vê a moça no Taier
A equilibrar-se no salto
Falando ao celular

E chove de repente se fazendo arco
Quebrando o cinza hediondo
E lá no fim há um pote de ouro
Ouro para aqueles que vêem
E vendo acreditam

Marcos Pedroso

Últimos posts

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!