Simplicíssimo

A poesia de Angel Cabeza

Homenagem à Pixinguinha

Pois é no choro,
no chorinho aguado da vitrola antiga,
que minha alma lava os seus
esquecimentos.

Poema de pedra

Os homens sofrem como as pedras:
cheios de musgo verde
e caras feias.

Jamais guardei . . .

Jamais guardei o nome de todos os livros.
A eternidade não consiste em ser eterno,
mas em ser lembrato subitamente.
Minha memória é um gole d’água
e todos os meus rascunhos são subseqüentes à mim.
Escrevo à margem, beirando as entrelinhas.
E não adianta me perguntar o que escuto.
Sou surdo como as pedras.
Escuto como os olhos dos cegos.

Os poemas aqui apresentados fazem parte do livro inédito "Inquietude Singular".

Angel Cesar dos Santos Cabeza

Últimos posts

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!