Simplicíssimo

Estertores

 http://estertores.brasilflog.com.br/1151093101.jpg

Convenhamos carcarás devoram miralos
Na arcada sutil da soberba
Caretas deslizam na alba funesca
Culminando em si um catride de erros

Carnaúbas em sales e vinho
Granido na clava urrante de veros
Clumata de trovadores berrecos
Abutre pequeno e sem cheiro

Ribalta em passos seguros no coito
Punhal de farpas na seiva amarga
Que potrefa na alfa cadeia da luz

Brindemos à farta sugestão
O sumo olente que vos observa
Contemplem meus ossos, castos e entregue aos corvos

A vida é um mastro de sentimentos e vicissitudes
Onde a abiose se reflete no éter da mente
Que a todos pertence
Más só um aedo observa
Na sua profundeza o recuo do medo

O homem no berço da casaca da alma
É um homem incalcado em pensares de parma.

Perdoar o antagonismo é subjugar a si mesmo
Assim, numa sanha em rubro idílio
Morrinhento suplico uma morte lenta e dolorosa
Surreava no Supor da Alavanca Universal.

PANDORA AEDO

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!