Cara e Coroa

Não quero a obrigação de rimar. Não quero regras, leis, conselhos. Não quero mais as falas, os risos. Não quero mais a decepção diária, sempre inesperada. Não quero mais possuir, naõ quero mais pensar. Não quero mais tentar entender minha propria raça desumana.

Não quero a obrigação de rimar. Não quero regras, leis, conselhos. Não quero mais as falas, os risos. Não quero mais a decepção diária, sempre inesperada. Não quero mais possuir, naõ quero mais pensar. Não quero mais tentar entender minha propria raça desumana. Não quero mais participar dessa roda que me eleva pra depois me colocar mais fundo. Não quero mais felicidade nem sonho. Não quero ra´~oes, opiniões, emoções. Não quero mais essa escravidão. Não quero mais o que me faz mal, nem quero mais ganhar pra não ter que perder….não quero essa folha, nem mais ser indivíduo. Quero ser tudo e tudo poder ser. Não quero os gritos da minha mãe. As mãs notícias da tv. O desespero do meu coração que já nem quer mais bater. Não quero mais os pratos, o microondas. As talheres, os prédios, as pontes, os palácios.Nem dor no corpo, nem dor na alma. Nem mais me trair…..Não quero profissão, estilo, dinhiro, vazio. Não quero mais o contrato q assinaram antes d´eu nascer. Eu nunca quis. Eu nunca quis!!Ser tão sensível assim. Não quero esses versos. Lógica ou filosofia, matemática ou geografia, ciência, tecnologia. Não! Não quero mais palavras.