Simplicíssimo

La vie en rose

A vida que sobra pelos cantos. Com raízes. Dorinfinda.
Sem melodias. Sem rimas, sem motes. Cem mortes.
Alguém que comigo não conjugou a sorte.

A dor que não cabe em nenhum poema. Amarga e forte.
Não se esvai com mil novenas nem chá de apagador.
Crua lima de vil navalha que me amortece.

Tempo desmedido no sentimento desmentido que faz sentido.
Rumo e Norte. Justa fusão de um viver com a Morte.
Vivência de amor que tece sem amortecedor.

Você: tatuado entre tantas minhas outras eternidades.
Menor distância entre este absurdo real diário e a
Verdade absolutamente nua do meu imaginário.

Lilly Falcão

Últimos posts

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!