Simplicíssimo

O Melhor Presente

Salário atrasado, marido desempregado, filha sonhando com um presente impossível. Esse era um momento dos mais difíceis na vida de Catarina. Era um martírio notar o brilho tão grande nos olhos de sua filhinha de 8 anos, cheia de esperanças de ganhar sua tão sonhada bicicleta, que escrevia a cartinha que era endereçada a papai Noel:
—Dessa vez ele irá me atender, das outras não sabia escrever nadinha, por isso que não tinha como ele comprar meu presente, mas agora sei que ganharei minha bicicleta.
Seu pai ouvia tudo isso quase chorando por dentro. Havia sido demitido há poucos dias, retrato da crise internacional que obrigou reduzir o pessoal de um monte de empresas. Ele foi só mais uma dentre tantas outras vítimas. Pedia a Deus descobrir uma forma de poder dar aquele presente. Chegou até a pensar besteira, mas lembrou o que ensinava sua velha mãe quando viva:
—Quem é digno não toma nada do que é dos outros.
Por outro lado Catarina vivia a esperança de ainda receber pelo menos um de seus 5 meses de salário a que tinha direito. Cochilando em frente à televisão não ouvia a reportagem que passava naquele momento. Arnaldo, seu marido cuidava de desligar a TV e usando-se de seus músculos e agora com um generoso sorriso em seu rosto a levava nos braços até seu quarto. Cinthia, sua filhinha já dormia há algumas horas. Nem sentia quando seu pai dava um amoroso beijo de boa noite em sua cabeça enquanto dizia:
—Agora já sei filhinha, você terá sua bicicleta, se Deus quiser.
Dias depois Catarina se queixava que Arnaldo sempre se ausentava no fim da tarde e nunca se justificava de maneira plausível. Começou a se preocupar fortemente, vigiava cada ligação que ele recebia e isso foi aumentando até que resolveu segui-lo até se surpreender onde ele entrava:
—Correio? O que ele vem fazer todos os dias aqui? Será que se envolveu com alguma mulher que trabalha aqui? Eu mataria os dois.
Esperava do lado de fora e notava que seu marido saía de cabeça baixa. O mesmo se repetia por mais uns 5 dias, até que ao contrário, agora ele saía com um sorriso largo no rosto, parecia que iria pular de alegria. Isso deixou Catarina preocupada, mas como sempre não deixava se mostrar de onde observava.
Chegava então o dia de natal, Catarina começava a se irritar com a felicidade estampada na cara de seu marido até que puxava-o pelo braço e dizia:
—Diga logo porque você está tão sorridente, seu safado. Tem outra mulher né? E ela paga as contas pra você? Será que você nem nota que bem em breve sua filhinha vai chorar muito porque o pedido dela não foi atendido?
Nesse momento podia se ouvir uma música de natal que anunciava a chegada de uma van que trazia só alegria. Então Arnaldo dizia:
—Ele chegou, ele chegou…
—Ele quem?
Perguntava sem entender nada Catarina.
—O papai Noel, ainda existe pessoas boas no mundo, alguém pegou a cartinha da minha filha que colei lá nos correios junto a tantas outras. Agora o “papai Noel” veio entregar, nossa filha vai ganhar a tão sonhada bicicleta dela.
Catarina depois de processar as informações em sua cabeça pensava:
“ah, então ele ia todo dia pra ver se tinham pego a cartinha de nossa filha, por isso que voltou chateado naqueles dias todos, porque a cartinha ainda estava lá, Naquele dia que voltou todo feliz deve ter notado que alguém levou a carta.”
Aquela criança de 8 anos agora dizia com toda autoridade:
Tão vendo? Eu não falei? Era por isso, eu não sabia escrever direito, aí papai Noel num tinha como dar meu presente, agora não, ele entendeu e trouxe o presente certinho pra mim.
Sua mãe, chorando muito dizia olhando pro céu:
—Desculpa meu Deus por duvidar de um homem tão bom, e obrigada também, não tem nada melhor que ver essa menina tão feliz assim.
 

Frank Santos

Últimos posts

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!