Simplicíssimo

Curtas e Bem Loucas

CURTAS E LOUCAS (BEM LOUCAS)


Saiu de casa e notou que alguma coisa estava errada. As pessoas olhavam-no estranhamente. Bateu nos bolsos da jaqueta, passou a mão pelos cabelos, uma rápida verificação em meio ao atraso para o trabalho. Foi preso duas quadras depois. A advogada de defesa desdobrou-se tentando convencer o juiz de que sair sem as calças numa manhã atribulada é uma coisa normal, sem sucesso…




Finalmente chegou a promoção. Depois de tanta dedicação, zelo pelas coisas do patrão, afinco nas ordens recebidas, bons e satisfatórios resultados, chegou seu dia. Andava emocionada pela rua. Um ar autoritário, uma superioridade merecida. Passar, depois de bons anos de excelentes serviços prestados, de prostituta particular a amante oficial é uma glória. Atravessando a Rua Augusta, rumo ao estacionamento, abaixa a cabeça. Um ar de preocupação e resignação. Suspira dentro do carro…

– Putas… Coitadas…




Mariângela tinha um problema. Não podia ser tocada por um homem que, imediatamente, começava a ter orgasmos. Um esbarrão no ônibus, gritinhos sufocados. O troco dado pelo padeiro, gemidos, pernas bambas. Freqüentou médicos, psicólogos, tarólogos, mães de santo, igrejas alternativas, mas, lá estavam eles, os orgasmos, prontos a entrega-la. Casou-se dezenove vezes, tendo sido abandonada em todas as tentativas. Não havia como terminar o ato, sabe como é… Mariângela tornou-se freira enclausurada, e, mensalmente, pede a bênção ao padre João, dono de uma integridade santa, e também de um toque enlouquecedor… A cada toque do padre, uma exclamação:

– Ai, meu Jesuuuuuuuuuuuuuuuuuuusssss…




O político casou-se com a advogada. Foram muito felizes, tiveram sete filhos lindos. Os seis primeiros, para orgulho dos pais, seguiram ótimas carreiras. Assaltante, estelionatário, atravessador, coordenador de campanhas, trombadinha e vendedor de seguros, respectivamente. O caçula, para vergonha da família, fugiu de casa, filiou-se ao PSOL, e, veja só se pode, realiza trabalhos voluntários nas favelas da cidade. Quanta ingratidão, dizem os pais…

 



Chega… Acho que tomei muito sol na cabeça…


Abraços!!

Marcos Claudino

Últimos posts

Follow us

Don't be shy, get in touch. We love meeting interesting people and making new friends.

Most popular

Most discussed