Simplicíssimo

A mulher do ano

Não preciso de meias palavras. Ou arrodeios. Vou ser curta e grossa: pra mim, o que importa é a opinião dos outros, e fodeu. Até que eu gosto dele, é verdade, mas não faz meu tipo, apesar de ser legal comigo. Inteligente, bem-humorado e tudo mais. Mas olha só pra ele. Olha aqueles óculos, aquela camisa… Ridículo! 

 Não preciso de meias palavras. Ou arrodeios. Vou ser curta e grossa: pra mim, o que importa é a opinião dos outros, e fodeu.

 Até que eu gosto dele, é verdade, mas não faz meu tipo, apesar de ser legal comigo. Inteligente, bem-humorado e tudo mais. Mas olha só pra ele. Olha aqueles óculos, aquela camisa… Ridículo!

 O que as meninas diriam se me vissem com ele? Amanhã minha reputação iria por água abaixo. Que reputação? Ora, eu sou uma das garotas mais desejadas do colégio. Muitas de minhas amigas têm inveja de mim. E veja só: o Marcinho está afim de mim. Elas estão se mordendo…

 Ele não tem nada na cabeça, mas, e daí? É bonito, gostoso, e tem um carro lindo! Não custa nada passar algum tempo com ele.

 Sou vaidosa mesmo. Não me sinto bem com a maioria das roupas que visto, mas preciso andar na moda. Elas sempre me incomodam de alguma forma. Exatamente como as pessoas com as quais tenho mais convívio. Não posso chamá-las de amigas, pois nossas relações são todas baseadas em algum interesse. Isso não é amizade. Disso eu sei.

 Não sou tão vazia e boba para ignorar o fato de que basta eu passar a ser – na frente delas – quem eu realmente sou para elas começarem a se afastar. Mas enfim, são escolhas que fazemos. E eu escolhi ser assim: fútil, superficial e materialista.

 Ao menos por enquanto…

Rafael Rodrigues

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!